Marquezelli contesta ministro do Trabalho em debate sobre trabalho escravo

PTB Notícias 27/03/2008, 8:24


A Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público, presidida pelo deputado federal Pedro Fernandes, do PTB do Maranhão, promoveu nesta quarta-feira (26/3) um debate sobre a definição de trabalho escravo e a provável elevação da pena para quem pratica esse tipo de crime.

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, participou da sessão e defendeu a expropriação de terras onde forem encontrados empregados mantidos em condições análogas às de escravo.

“Se ficar comprovado que o trabalho escravo é recorrente na propriedade, eu sou favorável à sua expropriação”, disse o ministro.

Durante a sessão, o deputado Nelson Marquezelli, do PTB de São Paulo e 1º Vice-Presidente da Comissão de Trabalho, condenou a atuação do Grupo Especial de Fiscalização Móvel do Ministério do Trabalho Móvel, que, para ele, só prejudica a imagem do Brasil no exterior.

“Isso vai oficializar uma mancha enorme na reputação do Brasil.

De repente, vai acontecer o que aconteceu com a carne brasileira”, afirmou Marquezelli.

“Escravos nós tivemos, não temos mais”, completou o deputado petebista.

O ministro do Trabalho reagiu afirmando que “não posso impedir uma ação que tem hoje resultados positivos, inclusive no exterior.

O Brasil está agindo.

Não estamos esperando os organismos internacionais vir e denunciar o trabalho escravo”.

Carlos Lupi disse que os empresários que querem evitar “máculas eternas” em seus produtos e serviços deveriam se abster de submeter seus empregados a condições degradantes.

Ele acrescentou que o ministério tem imagens de trabalhadores submetidos a condições subumanas que sequer podem ser divulgadas.

“Seria muito prejudicial ao Brasil”, explicou.

Agência Trabalhista de Notícias (com Agência Câmara)