Marquezelli critica elevadas taxas de juros cobradas por bancos privados

PTB Notícias 28/09/2011, 11:07


O deputado federal Nelson Marquezelli (PTB-SP), em seu discurso no plenário na última terça-feira (27/09/2011), alertou sobre a questão das taxas de juros elevadas cobradas ao consumidor: “O mercado financeiro estatal tem dado passos importantes para a criação de parâmetros mínimos na política de juros, tentando balizar o mercado, que se faz de surdo aos apelos para a redução das escorchantes taxas cobradas ao consumidor e a empresariado nacional”, ressaltou o parlamentar.

O petebista destacou em números os métodos utilizados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento para a redução das taxas de juros: ” Um exemplo desse sucesso é a linha de crédito do cartão BNDES, que tem aplicado taxas de juros razoáveis, comparada com a maioria dos bancos comerciais.

Só de janeiro a julho de 2011 foram desembolsados mais de 5 bilhões de reais, resultando num aumento quase do dobro aplicado pelo BNDES em 2010.

Do total aplicado pelo BNDES já temos 5,3% do total de 69 bilhões de reais liberados até o mês de julho de 2011.

A taxa de juros é baseada nas LTNs Letras do Tesouro Nacional, com média de 12,45% ao ano”, analisou Marquezelli.

O petebista questionou: ” Pergunta-se, Senhor Presidente, como é possível o empreendedor brasileiro conviver com taxas de juros de 30 e 40% nas linhas de crédito e juros de até 150% em cartões de crédito? Isso é agiotagem.

A sociedade brasileira é que paga a conta para esses destruidores da economia nacional.

Como o BNDES aplica juros de 12,45% ao ano e o Banco Santander cobra 120% em empréstimos na carteira de crédito?, indagou o deputado.

Ao finalizar seu discurso, o parlamentar cobrou uma posição mais rígida do Banco Central com relação aos bancos privados: “Temos que dar um freio nessa agiotagem.

Se o Governo brasileiro, através de seu banco de fomento, pode emprestar com taxas de juros razoáveis, porque os bancos privados não seguem o mesmo patamar.

O Banco Central tem que intervir nessa ciranda financeira e dar um basta nessa exploração feita pelos bancos privados no Brasil”, reforçou o petebista.

Agência Trabalhista de Notícias, por Paula de Biasi