Marquezelli marca nova audiência para discutir demissões em Limeira (SP)

PTB Notícias 13/04/2007, 8:28


A Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara, presidida pelo deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP), deverá realizar uma nova audiência pública para discutir fechamento de uma unidade de refino de açúcar na cidade de Limeira (SP), em março, que provocou a demissão de 400 empregados.

Nesta quinta-feira, 12, o tema foi abordado em uma audiência, mas o presidente da comissão, deputado Nelson Marquezelli, decidiu que o debate ficou prejudicado com a ausência, não justificada, da presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Elizabeth Farina, e do gerente de controladoria do grupo paulista Nova América, Marcelo Avanzi, que haviam sido convidados.

Ambos deverão ser novamente convidados.

O grupo empresarial, que no ano passado faturou cerca de R$ 1,3 bilhão, adquiriu em 2005 a marca de açúcar União, líder de mercado no país.

Junto com ela, a Nova América alugou a unidade de refino de Limeira, que pertence ao grupo Copersucar, ex-proprietário da União.

O negócio recebeu o aval do Cade.

Pouco mais de um ano após a compra, a Nova América decidiu desativar a beneficiadora e transferir as atividades de refino para uma unidade do grupo em Tarumã (SP).

Desrespeito”É preciso fazer uma nova audiência para discutir essa questão.

Foi uma falta de consideração com os trabalhadores e com esta Casa”, ressaltou o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), primeiro a sugerir uma nova audiência ao presidente da comissão.

O deputado petebista também quer que a comissão analise a denúncia da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA), de que a Nova América está vendendo o açúcar União com matéria-prima da empresa Da Barra, que é sua concorrente.

Para Faria de Sá, isso pode caracterizar um monopólio.

Durante o debate ocorrido nesta quinta-feira, o presidente da CNTA, Artur Bueno de Camargo, explicou que a confederação e a prefeitura municipal tentaram negociar com o controlador da refinaria a manutenção das atividades.

PrejuízoEle salientou que o prejuízo para a cidade supera as 400 demissões, uma vez que mais de mais de mil pessoas trabalhavam na cadeia do refino do açúcar na cidade.

O vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins de Limeira, Artur Bueno de Camargo Júnior, disse que entre os demitidos há operários com mais de 20 anos de casa, que dificilmente encontrarão posição no mercado de trabalho.

“Eles só sabem refinar”, afirmou.

O secretário-geral da Nova Central Sindical de Trabalhadores, Moacyr Roberto Auersvald, cobrou do Cade maior responsabilidade nas análises de fusões ou compras de empresas por outras.

fonte: Jornal da Câmara