Maurício Dziedricki sugere que nutricionistas divulguem fotos de tratamentos

Agência Trabalhista de Notícias 30/09/2019, 9:39


Imagem Crédito: João Ricardo/Liderança do PTB na Câmara

O deputado Maurício Dziedricki (PTB-RS) solicitou ao governo federal uma alteração no Código de Ética e de Conduta do Nutricionista para que seja flexibilizada a regra que proíbe ao profissional de nutrição a divulgação de imagens corporais dos seus respectivos pacientes.

Na indicação 1013/19, encaminhada ao ministro da Economia, Paulo Guedes, o parlamentar sugere que o Conselho Federal de Nutricionistas (CFN) torne menos rígida a norma que veda a divulgação de imagens de si ou de terceiros, mostrando o antes e o depois de um determinado tratamento.

“Acredito que a proibição total pode prejudicar a divulgação do trabalho daqueles nutricionistas que oferecem tratamentos seguros e adequados aos clientes e não prometem resultados espetaculares ou fórmulas mágicas para emagrecer. A publicação de fotos e depoimentos pelos nutricionistas éticos serve de motivação para outras pessoas, e não para promoção pessoal do profissional”, afirma.

Ambiguidade

O deputado explica que existe uma ambiguidade sobre a norma, que não destaca exatamente se a vedação é válida para quaisquer imagens que demonstrem a evolução do tratamento, ou apenas daquelas que estão acompanhadas de mensagens que atribuem os resultados a produtos, equipamentos, técnicas ou protocolos.

Além disso, segundo Maurício, a justificativa apresentada pelo CFN é de que os tratamentos podem não apresentar o mesmo resultado para todos, e as imagens podem oferecer risco à saúde por trazer expectativas falsas aos clientes.

“A nossa ideia é permitir a divulgação de imagem corporal de si ou de terceiros, desde que a publicação seja acompanhada de advertência que evidencie ao interessado que os resultados alcançados variam de indivíduo para indivíduo e dependem da avaliação e do acompanhamento do profissional nutricionista”, diz.

Redes sociais

De acordo com o parlamentar, outro ponto em questão é o atual contexto de fácil acesso à internet e redes sociais, que pode mudar a opinião de um indivíduo. Portanto, para o petebista, a proibição significa um risco ainda maior à saúde dos cidadãos, uma vez que internautas podem sofrer influência de perfis que publicam fotos de antes e depois sem orientação correta.

“Acreditamos que a norma vai impedir abusos dos maus profissionais que tentam, por meio da divulgação de imagens, alcançar autopromoção de forma sensacionalista. Ao mesmo tempo, permitirá que as pessoas visualizem bons resultados e se informem corretamente sobre dietas com profissionais responsáveis e éticos”, defende.

Com informações da assessoria da Liderança do PTB na Câmara dos Deputados