‘Militares de outros estados atrapalharam negociações’, diz Manoel Ribeiro

PTB Notícias 6/12/2011, 11:18


O deputado estadual Manoel Ribeiro, do PTB do Maranhão, afirmou nesta segunda-feira (05/12/2011) que o governo do Estado foi traído pelos militares.

Segundo o parlamentar, estava em estudo, com o consentimento da categoria, uma proposta de nivelamento do subsídio da Polícia Militar ao da Polícia Civil, mas a greve eclodiu em meio às negociações.

De acordo com o petebista, um dos líderes do movimento paredista, coronel Ivaldo Barbosa, tinha ciência da intenção do governo e havia sinalizado positivamente para a negociação, consentindo inclusive, segundo o deputado, com prorrogação do prazo, de 23 de novembro para 15 de dezembro.

Para Ribeiro, a intromissão de policiais de outros estados atrapalhou o bom andamento das negociações.

“Eles [militares] preferiram ir atrás de conversas de outros policiais, que representam Estados onde os policiais ganham muito menos do que aqui e formaram essa bagunça”, afirmou.

Na avaliação de Manoel Ribeiro essa decisão só prejudicou os militares maranhenses.

“Com o reajuste, o salário da Polícia Militar poderia ser igual ao da Policia Civil, mas só vão ter um aumento de 10,4%, a partir de março”, disse.

Ribeiro disse ainda que estava seguro de que a greve estaria suspensa até a data acordada, por isso decidiu viajar despreocupadamente, como havia planejado há três meses.

NegociaçõesManoel Ribeiro também lembrou que assumiu o papel de mediador entre a categoria e o governo no dia 8 de novembro, quando os militares realizaram um movimento em frente à sede do Legislativo.

“Eles apresentaram três pospostas e eu sugeri uma quarta proposta: equiparar o salário da Polícia Militar ao da Polícia Civil.

E eles concordaram”, destacou.

Dando continuidade às negociações, Ribeiro disse que o primeiro passo foi levar a proposta ao Executivo.

No dia 15 de novembro, o governo determinou que a Secretaria de Planejamento fizesse um estudo sobre o impacto do reajuste sobre a folha de pagamento.

A governadora Roseana Sarney solicitou a Manoel Ribeiro que procurasse os líderes do movimento para pedir que eles aguardassem uma resposta final até o dia 15 de dezembro, prazo anteriormente acertado para 23 de novembro.

Ao lado do senador licenciado João Alberto (secretário de Projetos Especiais), Ribeiro disse que telefonou para o coronel Ivaldo e marcou um encontro para às 16h do mesmo dia.

Ao encontro compareceu apenas o próprio coronel Ivaldo, que explicou que as outras lideranças não puderam comparecer, mas que ele poderia dar continuidade às negociações.

Segundo o deputado, ele aceitou prorrogar o prazo das negociações.

“Eu não poderia jamais ficar do lado deles, porque quebraram a palavra, quebraram o acordo.

Por isso que eu classifiquei como bagunceiros”, disse Manoel Ribeiro.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Assembleia Legislativa do MaranhãoFoto: Divulgação/Assembleia Legislativa do Maranhão