Mozarildo Cavalcanti critica corrupção na saúde e defende Mais Médicos

PTB Notícias 25/10/2013, 16:45


O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) voltou a criticar a corrupção na área da saúde, durante pronunciamento nesta sexta-feira (25/10/2013).

Ele citou reportagem do jornal Folha de S.

Paulo publicada no dia 20, segundo a qual o Sistema Único de Saúde (SUS) sofreu desvio de R$ 15 milhões em cinco anos.

A matéria diz ainda que, no Piauí, um paciente foi atendido 201 vezes em um único dia e as consultas foram cobradas do SUS.

Prefeituras respondem por 73% do valor de desvios e os estados por 15%.

Para o senador, apenas reduzindo essa corrupção, o país já teria melhores condições de saúde.

“Se nós reduzirmos só essa corrupção que acontece no setor de saúde, nós vamos de fato ter condições não só de construir novas unidades de pronto atendimento, mas também até hospitais de média complexidade, e sobretudo equipá-los e dar ao médico a retaguarda necessária em muitos casos”, afirmou o parlamentar.

O senador, que também é médico, foi relator da medida provisória que deu origem à Lei do Mais Médicos na comissão mista e no Senado.

Para Mozarildo, o programa não é solução para o problema da saúde brasileira, mas é um tratamento de emergência, que vai se transformar num programa permanente.

“Nós incluímos, por exemplo, a redução dessa primeira leva de médicos que vieram de outros países, que eles vão ficar três anos apenas trabalhando com o registro do Ministério da Saúde.

Após o que, se eles quiserem continuar no programa ou quiserem ficar no país em outra área, eles terão que fazer a revalidação do diploma”, afirmou.

Mozarildo defendeu ainda uma carreira de Estado para os médicos, para que esses profissionais sejam estimulados a progredir, assim como acontece com os juízes.

O senador afirmou que o programa também envolve a educação, pois o Ministério da Educação já providenciou o aumento de vagas nos cursos de medicina das escolas federais.

“Nós também vamos acompanhar porque, se apenas aumentar o número de vagas e não aumentar o número de professores e os laboratórios, nós também teremos, nas universidades federais, daqui a pouco, um deterioramento da formação de nossos médicos”, afirmou.

Mozarildo acredita que o programa Mais Médicos fará bem ao país, que, segundo ele, já sofre a ausência de médicos há pelo menos 40 anos.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Agência SenadoFoto: Geraldo Magela/Agência Senado