Mozarildo Cavalcanti diz que governo Lula foi negativo para a Amazônia

PTB Notícias 15/10/2009, 13:15


“Lamento dizer que para o governo Lula a Amazônia represente apenas 11 milhões de eleitores (São Paulo tem o dobro) e 8% do PIB (São Paulo possui muitas vezes mais que isso): não temos valor para o presidente da República”.

O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) fez um balanço dos dois mandatos do atual governo e concluiu que o saldo para a Amazônia foi “quase nada”.

Segundo o senador por Roraima, o legado positivo do governo Lula para a região é apenas a Lei nº 11.

952, de 25 de junho de 2009, que tratou da regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União, no âmbito da Amazônia Legal.

No mais, opinou Mozarildo, foram apenas discursos em palanques e frases de efeito desferidas de acordo com a conveniência política e a platéia da ocasião.

– O presidente Lula é péssimo na execução.

Ele não consegue mandar nos seus ministros, que vivem brigando uns com os outros.

Não sabe colocar ordem na casa.

Após terminar seu mandato, ele deveria refletir.

Se por acaso o governo Lula foi bom para o Sul e o Sudeste, ele foi muito ruim para a Amazônia – analisou Mozarildo Cavalcanti.

A campanha presidencial de 2002 foi recordada pelo senador petebista.

Ele disse que após ver seu candidato, Ciro Gomes, não alcançar uma vaga para o segundo turno do pleito, resolveu passar a apoiar Luiz Inácio Lula da Silva por dois motivos.

O primeiro foi a origem nordestina do candidato pelo PT, que sugeria um interesse em reduzir as desigualdades regionais.

O outro fator foi o programa de governo dedicado à Amazônia, contido em documento intitulado “O lugar da Amazônia no desenvolvimento do Brasil”.

Mozarildo informou que a proposta foi lançada em Belém (PA) pouco antes da eleição.

Ele disse que a consistência dos projetos, que incluíam um novo gerenciamento sócio-ambiental para a região, a diversificação da base produtiva, o financiamento do desenvolvimento regional e a geração de emprego e renda, também foi decisiva para ele manifestar seu apoio a Lula em 2002.

– Esse material distribuído em 2002 por Lula me levou a votar nele, no segundo turno.

Porém, não votei na sua reeleição.

Ao contrário: fiz campanha contra.

Nada que constava no projeto foi implantado.

Com relação a Roraima, foi pior ainda.

Foi o estado mais maltratado no primeiro governo Lula.

Tanto que, quando ele disputou a reeleição, foi derrotado nos dois turnos – declarou Mozarildo.

fonte: Agência Senado