Mozarildo Cavalcanti faz alerta no Senado contra os “piratas da medicina”

PTB Notícias 11/08/2009, 9:04


O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-AP) alertou, nesta segunda-feira (10/8) para a falsificação de medicamentos e de equipamentos médicos.

Citando o jornal Correio Braziliense, que publicou matéria neste domingo (9) sobre o assunto, o parlamentar ressaltou que esse comércio clandestino movimenta cifras astronômicas e mata milhares de pessoas no Brasil todos os anos.

– A pirataria e a fabricação de remédios e de equipamentos médicos está sendo feita de maneira como se pirateia um CD, um DVD ou outras coisas que a gente houve falar a toda hora.

Os bandidos se organizam cada vez mais próximo do narcotráfico e do esquema de roubo de cargas – alertou o senador, que é médico.

Ainda mencionando a matéria do Correio, intitulada “Piratas de Medicina”, Mozarildo relatou o drama da gaúcha Denise Borges de Medeiros.

Depois de se submeter a uma cirurgia para corrigir um problema nas vértebras, ela descobriu que os parafusos colocados em sua coluna cervical estavam tortos e quebrados.

Eram feitos de material de péssima qualidade.

O jornal publicou uma lista com vários medicamentos falsificados, incluindo uma versão do Tamiflu, o antiviral que está sendo usado no combate à gripe A, a gripe suína.

Outro que vem sendo falsificado é um similar do Viagra, produzido no Paraguai.

– O Sistema Único de Saúde é um caos.

E eu não sei se a Agência Nacional de Saúde [Anvisa] funciona como esperávamos que funcionasse – disse o senador, que propôs à Subcomissão da Saúde da Comissão de Assuntos Sociais convocar a Anvisa e o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, para prestar esclarecimentos sobre a epidemia.

Mozarildo disse ainda que preciso que o Tribunal de Contas aprofunde a fiscalização e o funcionamento da Anvisa e de órgãos como o Ministério da Saúde e a Fundação Nacional de Saúde.

Ele apelou também ao Conselho Federal de Medicina e à Associação Médica Brasileira, para que se tornem igualmente vigilantes em relação ao problema.

Embora já tenha apresentado projeto de lei aumentando a pena para os casos de corrupção na área de saúde e de educação, Mozarildo sugere que se vá além, enquadrando esse crime como hediondo.

fonte: Agência Senado