Mozarildo Cavalcanti lembra, no Senado, os 62 anos do PTB

PTB Notícias 21/05/2007, 20:00


O senador Mozarildo Cavalcanti, do PTB de Roraima, disse nesta segunda-feira (21) no Senado que o país não pode abrir mão das conquistas do trabalhismo, admitindo-se apenas adaptações necessárias a um estado social-democrata moderno.

O discurso do parlamentar teve como objetivo homenagear o Partido Trabalhista Brasileiro, que completou 62 anos no dia 15 passado.

Mozarildo lembrou que a criação do PTB por Getúlio Vargas, em 1945, fez parte de um conjunto de ações visando à valorização da força do trabalho, fundamental para o desenvolvimento do país.

Por esse motivo, foram criados o Ministério do Trabalho e a Justiça do Trabalho, editada a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e estabelecido o salário-mínimo.

– Até aquela época, os trabalhadores não tinham um canal, um partido, que os representassem.

Apenas os empregadores, a elite, tinham realmente partidos fortes – disse o senador petebista.

Mozarildo lembrou que durante o regime militar o partido foi extinto, como outros, ressurgindo tempos depois, mas dividido, já que parte dos comandantes do PTB fundou o PDT.

Assim, o PTB teve que fazer uma mudança de rumos, de modo a se consolidar.

– Muitas vezes a relação capital-trabalho é difícil.

Inclusive há interpretações variáveis de país para país, mas ninguém hoje em dia ousa, a não ser nas ditaduras ferrenhas, ignorar o direito do trabalhador – disse o senador, que afirmou o princípio do direito adquirido como ponto inarredável de qualquer discussão sobre mudanças como a flexibilização da legislação trabalhista e a reforma da Previdência.

O senador disse não ter dúvida de que a legislação de 60 anos atrás “tem que ser atualizada em alguns aspectos, principalmente para os jovens que vão entrar no mercado de trabalho” e no caso da prestação de serviços por empresas a outras empresas.

Ele repudiou, no entanto, o desrespeito “ao que já é um direito sagrado dos trabalhadores”.

fonte: Agência Senado