Mozarildo Cavalcanti volta a denunciar corrupção no governo de Roraima

PTB Notícias 29/05/2011, 7:48


Em discurso em Plenário na manhã da última sexta-feira (27/05/2011), o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) voltou a denunciar o governador de Roraima, José de Anchieta Júnior (PSDB), acusando-o da prática de improbidade administrativa, corrupção e compra de votos nas eleições de outubro de 2010.

Ele pediu providências aos órgãos responsáveis como o Ministério Público Estadual de Roraima, o Tribunal de Contas do Estado, o Ministério Público Federal, a Controladoria-Geral da União e o Tribunal de Contas da União.

O governador ocupa o cargo em razão de recurso que aguarda exame do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Na opinião de Mozarildo, José de Anchieta exerce indevidamente o mandato, mantendo-se no cargo mediante a utilização da máquina pública e de recursos financeiros do estado.

– A sequência cada vez pior dos atos do governador coloca a saúde, a educação, a segurança pública e o setor produtivo de Roraima em estado de calamidade pública – disse o senador.

Mozarildo apontou fatos que, em sua avaliação, comprometem a atuação do governador.

Ele mencionou o uso de avião do governo estadual para assuntos pessoais, a nomeação indevida para cargos públicos e o direcionamento de licitações para beneficiar empresas ligadas ao governante.

O senador leu da tribuna notícias que retratam o caos no serviço público do estado.

– Nas secretarias do estado, o roubo acontece por todos os lados.

O que tenho visto eu falo e vou continuar fazendo novas denúncias, inclusive sobre os contratos de prestação de serviços em troca de favores pessoais na época de campanha – afirmou.

Mozarildo cobrou ainda do Executivo federal a nomeação de juízes para o Tribunal Regional Eleitoral de Roraima, para que os processos envolvendo o governador possam ser julgados.

E disse que deverá apresentar projeto para que a nomeação de juízes para Tribunais Eleitorais, bem como a nomeação de ministros do Tribunal Superior Eleitoral não sejam feitas pelo Poder Executivo.

fonte: Agência Senado