Mozarildo destaca matéria da ‘Veja’ sobre demarcações de terras

PTB Notícias 7/05/2010, 7:56


O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) recomendou a seus pares a leitura da reportagem sobre demarcações de terras da edição desta semana da revista Veja.

Intitulada “A farra da antropologia oportunista”, a matéria afirma que “entre as ações de cunho demagógico e dilapidador que emperram o desenvolvimento do Brasil, está a demarcação selvagem de terras”, segundo o senador.

Em pronunciamento nesta quinta-feira (6/5), o parlamentar leu trecho do editorial da revista, chamado Carta ao Leitor.

Nele, a revista afirma que a reportagem descobriu “uma verdadeira fauna de espertalhões: negros e brancos que se declaram índios, padres que ‘ressuscitam’ etnias desaparecidas há 300 anos e ONGs (organizações não-governamentais) que estimulam moradores de cidades a se passar por silvícolas – para, desse modo, receber mais dinheiro de organizações estrangeiras e de Brasília”.

Mozarildo Cavalcanti disse ainda que, segundo a revista, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) calculou que “se o governo demarcar toda a extensão reivindicada por sem-terras, índios, quilombolas, ambientalistas e ideólogos do atraso travestidos de antropólogos, sobrarão para as atividades produtivas apenas 8% do território nacional”.

O representante de Roraima lembrou que foi presidente da primeira Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou as ONGs no Congresso Nacional, em 2000, e relatou a grande dificuldade que teve para ouvir representantes de algumas organizações e servidores da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Ele pediu a transcrição na íntegra da matéria, que traz uma fotografia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemorando a demarcação da reserva indígena Raposa-Serra do Sol no Conselho Indigenista de Roraima, para Mozarildo “uma das ongs mais corruptas do país”.

* Agência Trabalhista de Notícias com informações da Agência Senado