Mozarildo diz que homologação de reserva indígena é jogada internacional

PTB Notícias 23/10/2007, 11:41


O senador Mozarildo Cavalcanti, do PTB de Roraima, declarou no programa Agenda da Semana, da Rádio Folha 1020, que a homologação da reserva indígena Raposa Serra do Sol é uma jogada internacional de organizações que usam a falsa idéia de defesa dos índios para tirar benefícios próprios.

“Tem uma turma de índios que se locupleta com dinheiro público.

O CIR [Conselho Indígena de Roraima] mesmo recebeu recursos para saúde indígena e não presta contas do que faz com o dinheiro”, afirmou.

Mozarildo também disse que a Igreja Católica está a serviço dos poderosos.

“É uma missa encomendada, um falso discurso de defesa de indígenas.

Já há até o cacoete de chamar as terras que são da União de nação indígena, nação yanomami, nação macuxi.

Sou católico, mas há a história da Igreja estar a serviço dos poderosos.

Ela é que é a intrusa na Raposa Serra do Sol.

Há uma senhora, dona Severina, que morava na Vila Socó, com uma boa estrutura, e que foi assentada no PA Nova Amazônia.

Hoje ela mora num barraco de lona coberto de palha.

Por ter denunciado essa situação ela teve o barraco queimado”, contou.

Para o senador há um total descaso do Governo Federal com a situação dos moradores não-índios da reserva, que vivem há várias gerações na região.

“Onde estão localizadas as reservas? Em faixas de fronteira? Lembro do, hoje, ministro da Defesa, Nelson Jobim, visitar a Raposa Serra do Sol, quando era ministro da Justiça do governo Fernando Henrique Cardoso.

Como ele mesmo gosta de dizer, andou a cavalo por toda a área, conversou com várias pessoas e colocou no relatório que a área deveria ser demarcada de forma contínua, mas não excludente.

Agora, ele vem falar que existem “vazios” na Amazônia.

O ministro descobriu o óbvio.

Existem vazios porque estão expulsando os moradores dessas áreas”, argumentou.

O senador afirma que as reservas foram demarcadas sem que houvesse um estudo aprofundado da área e das condições dos habitantes.

“Fui taxado.

Inclusive, de genocida por defender a faixa de fronteira, de pelo menos 15 km.

O próprio relator de uma comissão da qual fiz parte, o senador Delcídio Amaral, do PT, deu parecer contrário à demarcação da reserva porque isso prejudicaria Roraima.

O presidente Lula não acatou o relatório porque tem origem na ideologia do PT, um socialismo totalmente equivocado e ultrapassado, dos tempos da Cortina de Ferro da Rússia.

Geopoliticamente, o Brasil não é tratado de forma a pensar nos estados mais pobres”, declara.

Para Mozarildo Cavalcanti a política vigente é a do esvaziamento.

“Não há nenhum culto ao nacionalismo, ao patriotismo.

O que presenciamos durante as diligências para a construção do relatório sobre a situação das famílias é parecido com o que houve na Alemanha Nazista.

A Funai diz que indenizou 190 famílias e que assentou 160 no PA Nova Amazônia.

Mas indenizou mal e porcamente.

O Incra está sem comando, sem controle, e aquilo lá está terrível”, afirma.

O senador informou que está aprofundando os documentos do relatório sobre o processo de retirada de não-índios da Raposa Serra do Sol para enviá-lo ao Senado, à Câmara dos Deputados, Assembléia Legislativa de Roraima, Presidência da República, ministérios e órgãos do Poder Executivo, Supremo Tribunal Federal (STF) e demais Tribunais Superiores, Ministério Público Federal, Governo de Roraima, Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e ao Conselho Nacional de Segurança.

fonte: Jornal Folha de Boa Vista (RR)