Mozarildo espera decisão contra a Reserva Raposa Serra do Sol

PTB Notícias 9/12/2008, 8:02


O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) disse nesta segunda-feira (8/12) que está confiante na decisão a ser tomada na próxima quarta-feira (10) pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em relação à ação deflagrada por ele e pelo senador Augusto Botelho (PT-RR) contra a demarcação da Reserva Indígena Raposa-Serra do Sol.

Ele assinalou que não é contra a demarcação de reservas indígenas em Roraima, mesmo que elas já tenham consumido mais de 50% do território, mas considerou “excludente” a demarcação que estão fazendo.

O senador manifestou preocupação também com o futuro prevendo uma luta fratricida entre as diversas etnias indígenas.

Mozarildo disse que quatro cidades estão sendo “riscadas do mapa”, com a expulsão de 456 famílias de colonos que viviam na região há três ou quatro gerações.

O senador disse que, “graças à intransigência de entidades corruptas como o Centro Indigenista de Roraima [CIR]”, fracassaram todas as tentativas de resolver a questão politicamente e de maneira amigável.

O senador disse que entidades que representam a maioria dos índios, como a Sociedade de Defesa dos Índios Unidos de Roraima (Sodiur), não são ouvidas pela Fundação Nacional do Índio (Funai) ou pelo Ministério Público.

O senador alertou para o fato de que a demarcação da Reserva Raposa-Serra do Sol está na verdade unindo várias reservas já existentes e juntando etnias que querem ter suas áreas separadas.

– Tenho certeza que o STF vai decidir essa questão de maneira justa, de maneira que leve em conta os diversos ângulos e não apenas um pequeno ângulo obtuso dessa questão, e de uma vez por todas acabe com o sofrimento daquela população – afirmou.

O senador Augusto Botelho (PT-RR) perguntou, em aparte, por que o CIR e outras organizações não-governamentais (ONGs) não fizeram um plebiscito entre os índios da região.

Na avaliação do senador, isso não aconteceu porque tinham certeza de que perderiam o plebiscito.

– Os índios querem suas áreas separadas.

Se mantiver emendado como está, daqui a dez anos vai estar como na África, com guerra entre etnias.

Precisamos de uma mudança na política indigenista.

Quem decide são pessoas que vivem em gabinetes e não convivem com índios.

Os índios de Roraima sabem o que querem – assegurou.

O senador Gilberto Goellner (DEM-MT) apoiou Mozarildo e sugeriu que o STF ouça os índios antes de decidir.

fonte: Agência Senado