Mozarildo promove debate sobre desenvolvimento nas fronteiras

PTB Notícias 17/08/2011, 17:27


O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) realizou nesta terça-feira(16), na subcomissão da Amazônia, audiência pública sobre o desenvolvimento econômico e social nas faixas de fronteira do país, com atenção especial à Roraima.

A reunião faz parte do ciclo de debates do plano de trabalho estabelecido pela Subcomissão da Amazônia e Faixa de Fronteira do Senado Federal que Mozarildo preside.

Estiveram presentes na audiência o senhor Roberto de Medeiros Dantas, Gerente do Programa Calha Norte e o senhor Herlon Goelzer de Almeida, Assistente da direção Geral da Itaipú Binacional.

Na audiência os representantes falaram sobre a necessidade de organização conjunta entre os governos federal, estadual e municipal e investimento para que as ações na área de fronteira sejam efetivas e obtenham bons resultados.

Em um extremo do país, a construção de uma escola municipal em Bonfim (RR), às margens do rio que separa o Brasil da Guiana.

No outro, o início das obras do futuro campus da Universidade da Integração Latinoamericana (Unila), em Foz do Iguaçu (PR), junto ao Paraguai e à Argentina.

As duas iniciativas foram citadas como exemplos de promoção de desenvolvimento em regiões de fronteira, durante audiência pública promovida pelo senador Mozarildo Cavalcanti.

As novas escolas em municípios como Bonfim e Parintins (AM) fazem parte da vertente civil do Programa Calha Norte, como expôs o gerente do programa, Roberto de Medeiros Dantas, aos integrantes da subcomissão, que é vinculada à Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE).

No Orçamento da União deste ano, informou, existem R$ 68 milhões destinados a ações militares do programa e R$ 416 milhões para atividades civis.

Estabelecido há pouco mais de 25 anos, o Calha Norte baseia-se no binômio “desenvolvimento e segurança”, como relatou o gerente do programa, que atua em seis estados que possuem 10.

938 quilômetros de fronteiras com Bolívia, Peru, Colômbia, Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa.

Entre as ações militares do programa estão a construção de unidades militares, a manutenção de aeródromos em pelotões de fronteira e a adequação de embarcações para controle da navegação fluvial.

A construção de escolas e centros de saúde está entre as ações civis que têm recebido o apoio de parlamentares por meio de emendas ao Orçamento da União.

– O Calha Norte é um exemplo de como investir na faixa de fronteira, mantido basicamente por emendas parlamentares, tão criticadas pela imprensa – disse Mozarildo, após ouvir a exposição.

ItaipuNo outro extremo do país, a empresa Itaipu Binacional – responsável pela gestão da hidrelétrica de Itaipu – tem procurado fugir do antigo modelo de atuação de empresas do setor elétrico, que “pouco olhavam para o seu entorno”, como definiu durante a audiência Herlon Goelzer de Almeida, assistente do diretor-geral brasileiro da companhia binacional.

Ele citou como exemplo desse esforço o início da construção da Unila, localizada em terreno cedido pela empresa e que conta com projeto do arquiteto Oscar Niemeyer.

A nova universidade, quando pronta, oferecerá vagas para 10 mil estudantes, dos quais cinco mil serão brasileiros e cinco mil de outros países da América Latina.

O assessor mencionou também a “cooperação direta” de Itaipu com os governos da Argentina e do Paraguai, além dos governos provinciais desses dois países.

As ações conjuntas, como informou, envolvem o setor de saúde, onde há problemas comuns aos três países, como a dengue.

– O mosquito não tem passaporte, e quando se fala de dengue temos que fazer uma discussão trinacional – exemplificou Almeida.

Agência Trabalhista de Notícias, (IS) com informações da Assesseoria de Comunicação do senador Mozarildo Cavalcanti