Município de São Caetano lidera ranking nacional de desenvolvimento

PTB Notícias 24/08/2009, 8:16


O IFDM (Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal) traz São Caetano, administrada pelo petebista José Auricchio Junior, como a primeira colocada entre os mais de 5.

500 municípios do Brasil.

A cidade do Grande ABC aparece no ranking da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro como a melhor do País ao se cruzar dados de emprego e renda, educação e saúde referentes a 2006.

No ano passado, foi a segunda, atrás de Indaiatuba.

O município é o único da região entre os 10 primeiros (todos do Estado de São Paulo).

Em uma escala de 0 a 1, conseguiu 0,9524.

Em termos comparativos, a pior colocada foi Santa Luzia (BA), com 0,2928, em 5.

560º lugar.

As informações foram fornecidas pelo governo federal.

O atraso de três anos é referente ao tempo necessário para que os ministérios consolidassem os dados.

Mesmo assim, é hoje o instrumento mais eficiente para se avaliar o desenvolvimento no Brasil.

O IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), da ONU (Organização das Nações Unidas), seria o mais próximo do IFDM, mas utiliza dados referentes ao censo, que é feito a cada dez anos.

“Na comparação, nosso índice é como um filme, bem mais instantâneo do que uma foto, tirada a cada década”, diz Patrick Carvalho, chefe da Divisão de Estudos Econômicos da Firjan.

Na categoria Emprego e Renda, o IFDM utiliza dados do Rais (Relatório Anual de Informações Sociais) e do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

O Ministério da Educação fornece as informações referentes a atendimento infantil, taxa de abandono escolar, de distorção entre idade e série, percentual de docentes com ensino superior completo, média de horas/aula diárias e resultado do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica).

Os componentes do indicador de Saúde são as consultas de pré-natal, óbitos de causas mal definidas e mortes infantis por causas evitáveis.

Em âmbito nacional, São Paulo lidera entre os Estados, com 0,8637.

O pior colocado é Alagoas (0,5615).

Vitória (ES) é a primeira das capitais, com 0,8642, seguida por São Paulo, com 0,8568.

A última é Macapá (AP), 0,6890.

A média nacional é 0,7376.

O Índice Firjan mostra que há muita desigualdade, mas os números têm mudado de forma positiva.

“O País deu uma arrancada neste início de século 21.

É a década de ouro, contraponto aos anos 1980.

Um exemplo é que fomos os últimos a entrar e os primeiros a sair da crise mundial”, afirma Carvalho.

* Agência Trabalhista de Notícias com informações do Portal ABCD Maior