Nelson Marquezelli critica estado de conservação das rodovias brasileiras

Agência Trabalhista de Notícias - 6/12/2017, 8:30

Crédito: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

Imagem

O deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP) criticou o estado de conservação das rodovias brasileiras. Segundo o parlamentar, mais da metade delas estão intransitáveis e as que estão em boas condições são muito caras, pois são concedidas à iniciativa privada, que cobra altos valores pelo pedágio. Ele afirma que isso encarece os produtos nacionais.

“As rodovias transitáveis cobram preços altíssimos, principalmente as de São Paulo, como a Anhanguera e a Bandeirantes. A pior de todas é a Imigrante: para ir de São Paulo a Santos, um caminhão paga muito mais de pedágio que gasta de combustível”, comparou.

A pesquisa de 2017 da Confederação Nacional do Transporte (CNT) sobre as rodovias brasileiras mostra que 61% do total das estradas apresenta algum problema. Essa porcentagem é dividida em 33,6% em estado regular, 20,1% ruim e 8,1% péssimo.

Isso significa que existem defeitos no pavimento, na sinalização ou na geometria da via. De acordo com o estudo, isso afeta diretamente o desempenho operacional e a segurança dos usuários.

Segundo Nelson Marquezelli, o principal motivo da má conservação das estradas é baixa qualidade do asfalto, que dura no máximo dois anos. Além disso, o transporte de cargas também é prejudicado por não haver aumento da malha rodoviária.

“O transporte de carga, às vezes, faz uma volta do dobro da distância por falta de estradas”, afirmou.

Alternativas

O deputado propôs que sejam usadas, no Brasil, outras formas de transporte que não a rodoviária, como o transporte fluvial, de cabotagem e ferroviário.

“Num país do tamanho do nosso, já justificaria termos 70% das cargas transportadas por ferrovias, mas a gente não vê movimento do governo nesse sentido. As ferrovias são fundamentais para o desenvolvimento de um país do tamanho do Brasil”, avaliou.

Com informações da assessoria da Liderança do PTB na Câmara dos Deputados