Nilton Capixaba mostra preocupação com clima de insegurança em Rondônia

PTB Notícias 17/05/2011, 15:28


Em discurso no Plenário da Câmara nesta segunda-feira (16/05/2011), o deputado federal Nilton Capixaba, do PTB de Rondônia, disse mostrar-se preocupado com o clima de insegurança no Estado devido ao anúncio da demissão de quatro mil trabalhadores da Usina de Jirau, na capital Porto Velho.

Segundo o parlamentar, representantes da Empresa Camargo Corrêa estiveram em reunião na quinta-feira passada (12/05/2011) na Secretaria-Geral da Presidência da República tratando das demissões, quando ficou acertada a redução do número de trabalhadores nas obras.

Ele lembrou que no último 13 de março no canteiro de obras de Jirau e atearam fogo nos alojamentos, queimando veículos.

Alguns foram presos.

“Rondônia viveu um caos porque Porto Velho não tem estrutura para receber 22 mil trabalhadores”, criticou Nilton Capixaba.

“Os responsáveis pelo consórcio Suez não cumpriram o contrato com relação ao valor acertado de 90 milhões de verbas de compensação para a Capital e o Estado.

Com a retomada das obras esses trabalhadores retornaram para o Estado.

Agora serão demitidos pela empresa que administra a construção da usina”, acrescentou.

De acordo com o deputado, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) já se pronunciou e disse não ter capacidade de como intervir nas demissões.

Por isso, o que lhe preocupa, como salientou o parlamentar rondoniense, é um novo clima de revolta no canteiro de obras.

“Chamo a atenção do Ministério do Trabalho para que acompanhe de perto essa situação”, cobrou.

Nilton Capixaba acentuou ainda em pronunciamento reportagem de O Estado de S.

Paulo que relatou a disputa interna entre sindicalistas da Força Sindical e a CUT.

Ambos, segundo o jornal paulistano e relatados pelo deputado, disputam o controle de cerca de 30 mil trabalhadores das Usinas de Jirau e Santo Antônio.

“Vejo com preocupação essa disputa interna, que pode gerar sérias consequências para Rondônia, para os trabalhadores e para os empresários”, ressaltou o petebista, que relatou ainda que na semana passada a Comissão de Fiscalização e Controle da Casa esteve em Porto Velho para tratar do assunto, juntamente com os deputados estaduais.

Porém, muitas perguntas, feitas aos responsáveis pela obra, ficaram sem respostas.

“Não souberam explicar a situação dos trabalhadores e as compensações ambientais para Rondônia em consequência das obras”, inquieta-se Nilton Capixaba, concluindo: “Enquanto isso, os hospitais continuam superlotados de pacientes, o trânsito em Porto Velho se transformou em um verdadeiro caos e o número de acidentes nas ruas aumentou”.

Agência Trabalhista de Notícias (Felipe Menezes)