No Plenário, Landim homenageia Milton Afonso, fundador da Golden Cross

PTB Notícias 1/04/2012, 7:05


O deputado federal Paes Landim, do Piauí, falando como líder do PTB no Plenário da Câmara, homenageou Milton Afonso, fundador da Golden Cross, que já foi a maior companhia de saúde na América do Sul, e participa da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

O empresário, disse o deputado, doa recursos para os estudos de 60 mil jovens e outros projetos sociais.

Leia abaixo o discurso do deputado Paes Landim:”De origem humilde, o garoto que vendia guloseimas, descalço, pelas ruas para complementar a renda do lar, o menino que sonhava em ser aviador como Santos Dumont, se tornou um líder político entre os estudantes de Direito, que se manifestavam em São Paulo em oposição ao Presidente Getúlio Vargas.

Por conta disso, chegou a ser preso e maltratado pela polícia.

Depois de passar 15 dias detido, Milton decidiu sair de São Paulo e tentar a vida no Rio Janeiro.

Chegando lá, conheceu a sua esposa, a distintíssima Sra.

Arlete Afonso, sua companheira solidária em todos os momentos de sua vida, e com ela constituiu uma família abençoada.

Anos mais tarde, em 1971, motivado por seus amigos, o advogado decidiu criar a Golden Cross, instituição filantrópica, com todo o lucro direcionado a projetos educacionais, de assistência social e evangelização, que poucos meses depois atingiria a marca de mil associados.

Um verdadeiro sucesso.

O progresso foi ratificado em 1984, quando a Golden Cross se tornou a maior companhia de saúde na América do Sul.

Porém, Dr.

Milton queria fazer mais, sobretudo na área educacional.

E uma grande oportunidade surgiu no final de 1985, quando o então Ministro da Educação, Marco Maciel, pediu para Milton vir a Brasília.

Ciente da ligação do advogado com o Presidente Tancredo Neves e da escola agrícola que fundara em São João Del Rei, a seu pedido, o Ministro perguntou se a Golden Cross poderia assumir a administração da Organização Santamarense de Educação e Cultura — OSEC.

O Governo Federal daria total apoio, menos na área financeira.

Tal proposta tornara-se parte da realização de seu sonho em ajudar estudantes carentes, quando em 1994, mais um marco foi alcançado: a OSEC passou a ser uma universidade plenamente habilitada, conhecida como Universidade de Santo Amaro —UNISA, que posteriormente se tornou a maior universidade particular na grande área metropolitana de São Paulo.

Por mais de três décadas, milhares de crianças e jovens têm sido cuidados e educados pelo ministério de Milton Afonso.

Ano passado, Dr.

Milton Afonso doou a quantia de 1 milhão de reais para a construção da primeira Escola Adventista do Brasil, em Teresina, que abrigará cerca de 1.

200 alunos e ocasionará, portanto, imenso impacto social no meu Estado, sobretudo porque vai atender às classes mais necessitadas de Teresina.

O nome da escola será Neide Afonso, filha caçula querida do Dr.

Milton Afonso, uma jovem altamente competente, trabalhadora, dedicada à causa da Igreja Adventista.

Quero, sobretudo,ressaltar que esse grande acontecimento contou com a colaboração do meu irmão, Dr.

Paulo Henrique Paes Landim, ex-Deputado Estadual, que se desempenhou para que o Prefeito Elmano Férrer, homem bom por natureza, num gesto nobre e de muita grandeza, motivado pelo interesse público, doasse o terreno onde será alicerçada essa grande obra.

Também merece destaque o trabalho desempenhado nessa luta pelo Pastor Geovani Queiroz, Presidente da Igreja Adventista para o Nordeste; Pastor Eliezer Junior, Presidente da Igreja Adventista no Piauí; Pastor Glauber Cassiano, Diretor da Educação Adventista no Piauí; Pastor Emerson, Secretário da Igreja Adventista no Piauí; Pastor Enildo Nascimento, Diretor da Educação Adventista no Nordeste; e Pastor Onildo, Diretor da Igreja Adventista no Piauí.

Sr.

Presidente, as ações desse grande homem vão muito mais além.

Há pouco tempo impactou milhões de pessoas, por intermédio dos meios de comunicação.

Ele começou a incentivar e a apoiar a igreja a ter suas próprias emissoras.

O investimento era alto, mas sua fé superava os obstáculos.

Para tanto, o empreendedor doou duas grandes propriedades para serem usadas como um moderno centro de mídias.

Em 2000, a igreja passou a cobrir 50% do custo da faixa do satélite, alcançando as Américas do Sul e Central, e as regiões sul e leste dos EUA, além de Portugal e outros países da Europa Ocidental.

Atualmente, a Rede Novo Tempo de Comunicação — NT, dá passos largos para alcançar as tendências do mercado de radiodifusão e no mês que vem estará inaugurando um canal aberto na Capital do meu Estado, Teresina.

Uma nova opção para os telespectadores piauienses.

Além disso, no final de semana passada, o Hemocentro Coordenador do Piauí — HEMOPI, e os Hemocentros Regionais, localizados em Floriano, Parnaíba e Picos, receberam centenas de jovens da Igreja Adventista do Sétimo Dia, que doaram sangue e fizeram o cadastro de medula óssea.

Em Teresina, a campanha do HEMOPI contou também com a doação de sangue na Unidade de Ensino Simões Filho, organizada pelas equipes da Igreja e da coleta externa do hemocentro sob a supervisão da Assistente Social Hortência Rocha.

A campanha acontece em todo o País e faz parte do Projeto Vida por Vidas, desenvolvido desde 2005 por voluntários da Igreja Adventista do Sétimo Dia, por meio da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais em parceria com o Ministério da Saúde.

Osorganizadores afirmam que conseguiram bater a meta de 400 doações só na Capital.

De acordo com o coordenador do projeto no Piauí, Pastor Leandro Lins, durante o ano de 2011, foram realizadas mais de 2.

500 doações de sangue só nos Estados do Piauí e do Ceará, sendo mais de 3.

000 doadores inscritos no projeto, que abrange toda a América Latina, já tendo inclusive recebido premiação do Ministério da Saúde.

Sr.

Presidente, a ideia da doação de sangue por grupos organizados, como o Projeto Vida Por Vidas, émuito bem-vinda e importante para o atendimento da demanda transfusional do HEMOPI, que atende a todo o Piauí e parte do Maranhão.

O homem que investiu milhões de dólares para ajudar pessoas carentes, principalmente jovens estudantes, tem uma fé invejável e uma memória espetacular, e há pouco tempo aceitou lançar sua biografia, escrita por Manuel Vásquez.

Mais uma vez, quero parabenizar o querido Dr.

Milton Afonso pela dedicação à causa da Igreja Adventista, dedicando-se mais a ela do que aos próprios interesses pessoais, aos próprios negócios da Golden Cross, exatamente porque a paixão pelo Evangelho, pelas lições de Cristo pesam muito forte no pensamento e na vida desse grande homem.

Muito obrigado, Sr.

Presidente.

Sr.

Presidente, encerradas as Comunicações Parlamentares, passo agora a usar o horário de liderança por três minutos.

Sr.

Presidente, quero registrar, com muita tristeza, o falecimento de um grande amigo, José Adriano, que desde cedo teve a responsabilidade de prover o sustento de casa, dos seus irmãos, 19 no total, e hoje 11 vivos.

Tamanha era a dificuldade, que acabou por desenvolver inúmeras atividades, como fabricante de tijolos, vendedor de chinelos, transportador de pessoas e carga por barco no Açude de Orós e por fim padeiro, abriu a primeira padaria da cidade do interior do Ceará, com 14 anos de idade, conhecido como Zé Padeirinho.

Neste momento, José Adriano já supria o sustento de seus irmãos e familiares.

Mesmo exercendo todas essas atividades, o então Zé Padeirinho buscava mais: no dia 19 de março de 1968, dia de São José, ao som da Triste Partida, música de Luiz Gonzaga e Patativa do Assaré, partiu para São Paulo.

Recém-chegado na grande cidade, foi morador de praça pública, sem profissão, mas com um sonho: crescer e conquistar seu espaço na metrópole.

Nesse sentido, apesar de todas as atividades e do sonho de ser advogado, no entanto, com sua necessidade de luta, de ganhar o pão, de ajudar seus familiares, não pôde realizar esse sonho, que realizou através de seus filhos, todos os dois com cursos universitários: um é arquiteto e o outro médico.

Ele, Sr.

Presidente, perdeu a chance de ser advogado e ganhou a chance de atravessar a rua, entrar no Mercado Municipal, comprar um saco de limão e sair vendendo.

Ele tinha algo que nenhum advogado teria, a humildade de sair por aí vendendo limão.

Foi o que fez.

Nesta andança, achou um emprego de garçom, virou o Zé Garçom.

Prestativo como era, sua característica principal, destacou-se rapidamente.

Pôde trazer os seus irmãos aos poucos para São Paulo, encaixando-os nos serviços desta lanchonete, que quem possuía era uma das pessoas que mais ajudou o Seu Zé em toda sua vida.

É aqui que quero destacar o papel do seu compadre, o Sr.

Zezinho Português.

Este enxergou o real valor do nosso querido José Adriano, viu que ele era um jovem lutador, sonhador e juntos construíram uma admirável amizade que durou uma vida inteira.

Em junho de 1969, casou-se com a minha conterrânea do Piauí, Alzira Ribeiro Cruz, filha do Sr.

Herculano Ribeiro, um grande amigo, um dos maiores amigos que meu pai já teve na vida, lá em São João do Piauí.

Era lá da Formosa, um trabalhador dedicado à família, responsável.

Pois Dona Alzira, essa companheira fantástica, foi quem ajudou José Adriano a vencer na vida.

Os dois filhos de quem falei são o Hélio, que é arquiteto e administrador de empresa, pai da Helena, Felipe e Julia.

Também há o nosso querido Eduardo, médico ortopedista, funcionário da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.

Sr.

Presidente, chegou a ser dono de restaurante, também em São Paulo, mas sem nunca esquecer suas origens do Ceará, mas, sobretudo, eraapaixonado pelo Estado do Piauí, pela minha região de São João do Piauí.

Pela paixão que tinha e dedicação à querida D.

Alzira, inaugurou o primeiro açougue refrigerado da minha cidade.

Comprou várias propriedades na cidade, foi empresário no ramo agropecuário e de laticínios.

Encorajou e motivou a implantação, na cidade, de projetos de cultivo de banana, coco, criação de gado e, por fim, piscicultura, reconhecido pelas autoridades de todo o Estado por seu empreendedorismo, coragem e, sobretudo, sua força de trabalho.

Foi eleito, inclusive, Sr.

Presidente, Vice-Prefeito da minha cidade, além de ter sido Vereador, Prefeito em exercício e candidato a suplente de Senador, tendo sido agraciado com o Título Honorário de Cidadão São-Joanense.

José Adriano era uma das pessoas mais queridas que eu já conheci na minha vida, na minha cidade.

Todo são-joanense que chegasse a São Paulo era por ele bem acolhido.

Nós, pessoalmente, da minha família, devemos muitas atenções, muitos favores a essa grande figura humana, cuja morte lamento profundamente, até porque vim saber da sua morte já nos últimos dias, sem ter ido visitar aquele grande amigo nos últimos dias da sua vida.

Partiu prematuramente, Sr.

Presidente, esse grande amigo da minha cidade.

Seu corpo foi cremado e, pelo seu desejo, será levado para São João do Piauí, perto da sua querida Alzira.

Muito obrigado, Sr.

Presidente.