No Plenário, Mozarildo Cavalcanti contesta críticas da Isto É à TV Senado

PTB Notícias 19/03/2011, 6:41


O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) ocupou a tribuna na última quinta-feira (17/03/2011) para contestar reportagem publicada pela revista Isto É sobre a TV Senado, a qual, disse o senador, mostra uma “imagem distorcida” da emissora.

O parlamentar petebista afirmou que, contrariamente ao que sugere a reportagem, a TV Senado exerce papel fundamental na divulgação do trabalho dos parlamentares em Plenário e nas comissões.

Desde 1996, disse o senador, a emissora tem contribuído para informar o cidadão sobre as ideias defendidas pelos parlamentares e os projetos apresentados por eles, utilizando praticamente toda a sua grade de programação para esse fim.

Mozarildo disse que a revista faz uma comparação inadequada da produção e dos custos da TV Senado com aqueles da TV Globo.

O senador explicou que os objetivos da TV Senado, de levar a informação legislativa a um número cada vez maior de cidadãos, diferem daqueles das emissoras privadas, que priorizam a busca de mercado, de lucro.

– Não se compara o trabalho da TV Senado com o produzido pela TV Globo; não guarda nenhuma similitude.

Além disso, a TV Senado é responsável pela produção de mais de 90% do que leva ao ar nas 24 horas do dia, enquanto a TV Globo de Brasília, por exemplo, produz pouco mais de duas horas diárias de programação jornalística – comparou.

O senador lembrou que a TV Senado emprega 340 pessoas, entre servidores e terceirizados, enquanto a TV Globo Brasília emprega 600 pessoas.

Citando dados de outra revista, a Veja, Mozarildo disse que a produção da TV Senado somou 3.

058 horas em 2009, a um custo de cerca de R$ 40 milhões.

Isso significa que cada hora da programação levada ao ar pela TV Senado custou R$ 13 mil.

A título de comparação, o senador disse que cada capítulo de novela da Globo tem um custo aproximado de US$ 200 mil.

– Vejam a diferença: R$ 13 mil, o que custa para a TV Senado, para US$ 200 mil, o que custam as novelas tão apreciadas pela população – disse ele.

Quanto ao custo anual da TV Senado, de R$ 40 milhões, que segundo a Istoé teria crescido entre 2005 e 2009, Mozarildo disse que o autor da matéria se esquece de reportar o aumento da produção legislativa no período.

O parlamentar enfatizou que, entre 2005 a 2009, a produção legislativa aumentou 60%.

Segundo ele, em 2005, a TV Senado levou ao ar 1.

654 horas de discursos, debates e votações.

Em 2009, foram 2.

633 horas.

Isso tudo, segundo o senador, transmitido por uma TV que está no ar, em sinal aberto, em 11 capitais, fora o acesso por meio de 10 milhões de antenas parabólicas, pelas empresas de TV por assinatura e pela internet – rede na qual são transmitidos simultaneamente até quatro reuniões de comissão.

O senador lembrou que, em momentos fundamentais da Casa, como na ocasião das CPIs do Mensalão e dos Correios, a TV Senado alcançou algumas de suas maiores audiências.

– Foi por meio da TV Senado que o cidadão brasileiro acompanhou o desenrolar dessas CPIs – disse.

Mozarildo disse ainda que tudo o que a TV Senado transmite é gravado, de forma a compor o registro histórico do parlamento brasileiro.

fonte: Agência Senado