Novo filiado ao PTB de Itu, presidente do SECOM concede entrevista

PTB Notícias 27/12/2013, 7:41


Presidente do SECOM (Sindicato dos Comerciários) de Itu e região, há 7 anos, Luciano Ribeiro exerce um grande trabalho junto aos trabalhadores do comércio.

Antes de tornar presidente, foi diretor do sindicato durante 6 anos, no período de 2001 a 2006.

Coincidentemente, Luciano entrou para a política em 2006, quando se filiou ao PDT (Partido Democrático Trabalhista).

No ano passado, teve sua primeira experiência eleitoral, como candidato a vereador em itu, ocasião em obteve 800 votos.

Neste ano, Luciano Ribeiro deixou o PDT para fazer parte do PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), com o objetivo de alcançar voos maiores na política.

JP – O que te fez entrar para a política?Luciano Ribeiro: O cargo que exerço como presidente do sindicato é um cargo de liderança e todo dia indo até a cidade, todo dia indo na casa de alguém, em um jogo de futebol, ouvindo certas reclamações das pessoas que não seriam tão difíceis de se resolver, bastando ter interesse em participar, com essa minha liderança natural como presidente do Secom, decidi participar para tentar mudar a situação da cidade para melhor, estamos no dia a dia sabendo que a decisão política é que move as coisas.

Tentar ajudar a mudar algumas coisas.

JP – É possível presidir um sindicato da grandeza do Secom e ter tempo para fazer política?Luciano Ribeiro: Tudo é uma questão de organização na vida da gente.

Você liderar cinco pessoas ou 50 mil, se você for organizado, você irá conseguir.

Existe político que só faz política e não desempenha bem feito o seu trabalho.

O que difere é você estar ali no dia a dia, estar inserido no cotidiano com as pessoas.

JP – Qual a análise que você faz da sua candidatura a vereador no ano passado?Luciano Ribeiro: Análise que faço é que minha candidatura partiu de uma vontade própria, não partindo de um grupo de situação ou de oposição.

Fui incentivado pelos sindicatos estaduais e percebi que poderia tentar fazer alguma coisa, mudar algumas situações ruins para o futuro.

Só que percebi que essa campanha independente causou um certo desconforto no grupo de situação, no qual não recebi apoio como outros candidatos tiveram e também no grupo de oposição, que me via como “lado contrário” e isso acabou me prejudicando.

Creio que se eu tivesse saído como candidato de oposição eu teria recebido um número de votos superior.

JP – Você foi boicotado pelo grupo? Se sentiu usado?Luciano Ribeiro: Usado eu senti que não fui, porque quase não saí ao lado das pessoas da situação.

Eu realizei uma campanha independente para que se eu ganhasse, pudesse trabalhar de forma independente.

Ser independente não é ser contrário, mas sim fazer aquilo que é bom para a sociedade, pois o trabalho do vereador é fiscalizar, representar sociedade e não ficar atrás das decisões que já vêm prontas do executivo.

Desde o início eu falei que eu não seria assim.

Mas me senti boicotado, pois percebi que se criou uma situação desconfortável, um possível vereador que não estava agradando nem a situação e nem a oposição.

Isso é algo que eu não repetiria mais.

Em uma próxima oportunidade, se existir, ou me lanço como candidato de situação ou me lanço como oposição.

A minha independência, o apoio regional que tive, acabou causando ciúmes e acabei mal interpretado.

JP – Por que a escolha pelo PTB?Luciano Ribeiro: Porque o PTB é um projeto em que todos os dirigentes sindicais comerciários que estão basicamente organizados da mesma maneira, estão percebendo que é a Câmara Federal que vota as leis,as leis trabalhistas, que são regidas por Brasília.

“Vira e mexe”, ouvimos falar que vai mudar as regras do funda de garantia, que vão estender a jornada de trabalho.

Dos 513 deputados ali existentes, apenas 90 são ligados ao movimento dos trabalhadores e se não aumentarmos esse número de apoiadores da causa trabalhista na bancada, fatalmente ficaremos por fora das decisões ali tomadas e seremos prejudicados.

Então, estamos com um projeto de lançar um candidato a Deputado Federal para o ano que vem, que não sou eu, quero deixar bem claro isso.

Campos Machado (PTB), que acredito ser o Deputado Estadual mais influente do partido, percebeu a importância desse projeto e viu como funciona a organização sindical e acredito que falta uma “pitada” de política para que o projeto se desenvolva.

Estamos fazendo força para que nosso candidato seja o presidente da nossa Federação (Fecomerciários), Luiz Carlos Motta, que conhece toda a nossa região, percorre todos os sindicatos e por isso gostaríamos muito de lançá-lo, mas vai depender da vontade dele.

JP – Quais são seus planos para o futuro?Luciano Ribeiro: Embora tenha sido uma decepção e também tenha sido um aprendizado a eleição do ano passado, penso em sair novamente candidato a vereador na próxima eleição, mas já falei para pessoas próximas que se houver um candidato a Prefeito nessa cidade que eu possa confiar em seu trabalho, que tenha juventude, queira aparecer para a política e que seja experiência eu até apoiaria, seria até mesmo o seu vice, até porque com a experiência que a gente tem no dia a dia podemos até ajudar.

E esse candidato que eu gosto muito de seu trabalho e gostaria de trabalhar junto é o Guilherme Gazzola (ex-vereador).

JP – A atual administração faz um bom governo?Luciano Ribeiro: Um ano só é pouco para avaliar se é bom ou ruim.

Eu como estou diariamente em outras cidades, como Boituva, Porto Feliz e Salto,vejo que em relação a esses lugares, Itu está um pouco atrasada.

A gente vai para Salto você vê uma iluminação, já do lado de Itu não há iluminação, posto de saúde, transporte público por aqui as pessoas reclamam muito, até fiz um requerimento e levei até a Câmara para que se fiscalize o horário dos ônibus, principalmente nos finais de semana, as condições desses ônibus.

Então nós vemos que muitas coisas precisam ser melhoradas logo.

Mas isso se for comparar com outras cidades, porque não dá para dizer se de fato a administração está ruim ou boa, um ano é pouco para essa avaliação.

JP – Como é seu relacionamento com o prefeito?Luciano Ribeiro: Posso dizer que é um relacionamento bom, embora não o veja com frequência.

Sempre que precisei contata-lo para discutirmos assuntos profissionais, referentes ao sindicato ou ao Fundo Social, fui sempre atendido e bem recebido.

JP – Embora tenha trabalho pelo grupo do Tuíze, hoje você se vê como oposição?Luciano Ribeiro: Não me vejo como de oposição.

Me vejo como uma pessoa que não teve o devido valor do grupo.

Tive 800 votos e terminou a eleição não fui procurado, não aceitaria cargo algum, mas não fui procurado nem para receber um obrigado pelo número de votos, por ter ajudado o grupo.

Mas não me vejo como de oposição não.

Estou para somar com a cidade.

JP – Que trabalho você pretende fazer na campanha eleitoral do ano que vem? Irá apoiar algum candidato da cidade?Luciano Ribeiro: Veja bem, para nosso segmento, para nosso projeto no partido é interessante que consigamos votos para esse candidato que todo o estado irá votar para representar o trabalhador lá em Brasília, já que ali será discutido o direito do trabalhador que ele não pode perder.

O PTB é o partido que mais conquistou direitos trabalhistas e isso vem desde Getúlio Vargas, como Fundo de Garantia e Décimo Terceiro.

Nosso apoio será para esse grupo, o PTB.

Quanto apoio a candidatos a Deputados Estaduais, vem acompanhando o trabalho de nossa Deputada Rita Passos e vejo que ela vem sendo bem atuando, traz recursos para a cidade, então creio que ela não terá problemas na eleição.

Caso o Deputado de meu partido, Campos Machado, saia candidato novamente, irei apóia-lo, já que foi ele que me trouxe para o PTB além da fidelidade partidária.

* Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do portal do PTB-SP