‘O PTB é o partido do trabalhador’, afirma presidente Cristiane Brasil

PTB Notícias 1/05/2015, 11:53


Amigas e amigos trabalhistas, Como presidente nacional do Partido Trabalhista Brasileiro, faço uma saudação especial a todos as trabalhadoras e os trabalhadores brasileiros que celebram, nesta sexta-feira, o 1º de Maio, Dia Internacional dos Trabalhadores.

Hoje é o dia em que a classe trabalhadora celebra sua data e busca renovar suas forças para seguir firme e forte na luta diária pela sobrevivência.

Esta data representa o sonho de trabalhadoras e trabalhadores de terem uma sociedade mais justa, mais solidária, mais democrática, com mais igualdade e melhores oportunidades para todos.

Nós, do PTB, trabalhamos intensamente para manter viva a chama da defesa do trabalhador.

Afinal, somos o partido fundado por Getúlio Vargas, o homem que deixou o maior legado histórico no nosso país de direitos do trabalhador.

Foi o nosso partido que, junto com Vargas, garantiu as maiores conquistas para a classe trabalhadora, e que continuam vivas no mundo moderno: o salário mínimo, a indenização por demissão sem justa causa, a estabilidade no emprego, a carteira de trabalho, as férias remuneradas, a criação dos sindicatos, o 13º salário, o aviso prévio, a criação da justiça do trabalho, a Previdência Social, a multa de 40% de FGTS a redução da jornada semanal de trabalho de 48 para 44 horas, o pagamento de mais 1/3 do salário das férias, o aumento do valor das horas extras de 25 para 50% do valor da hora mensal de trabalho, a extensão integral dos direitos trabalhistas ao trabalhador rural, a equiparação dos direitos trabalhistas do trabalhador avulso aos do trabalhador com vínculo permanente são alguns dos muitos benefícios que geramos e pelos quais continuamos a lutar ferrenhamente.

Infelizmente, apesar de podermos contar com expressivos direitos que garantem maior justiça social para o trabalhador, o momento que vive o País não permite que se sonhe com dias melhores no futuro próximo.

O cenário atual da economia brasileira é preocupante e gera muitas incertezas, principalmente para a classe trabalhadora.

O fantasma da inflação ronda a nossa economia e começa a corroer a renda da população, dos consumidores, dos trabalhadores e especialmente das camadas mais pobres.

Pesquisa recente realizada pelo Banco Central com mais de 100 economistas de instituições financeiras revela o tamanho do pessimismo com a conjuntura da nossa economia: para o mercado, a inflação deve ficar em 8,25% em 2015, a maior nos últimos 11 anos, e o Produto Interno Bruto ficará negativo em 1,10%, além de termos uma escalada de juros, que tornam o Brasil o campeão mundial neste quesito.

Diante deste cenário de crise na economia, as primeiras e maiores vítimas são os trabalhadores, que já começam a perder seus empregos.

De acordo com a última Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, o número de desempregados no Brasil subiu 23,1% em março deste ano em relação ao mesmo mês de 2014.

Isso corresponde a um total de 280 mil pessoas que perderam o emprego no espaço de um ano, ou que estão à procura de trabalho neste período.

A pesquisa do IBGE mostra que a taxa de desocupação em março ficou em 6,2%, mesmo índice de março de 2012 e o maior desde maio de 2011, quando chegou a 6,4%.

Desde junho de 2013 a taxa não ultrapassava a marca dos 6%.

Uma outra má notícia para o trabalhador, também divulgada pelo IBGE, foi a queda nominal e real na sua renda frente ao mês anterior.

Em março em relação a fevereiro, a queda real foi de 2,8%, o pior resultado em mais de 12 anos — em janeiro de 2003 o recuo foi de 4,3%.

De acordo com o IBGE, a renda média do trabalho ficou em R$ 2.

134,60 em março.

E como se não fosse pouco, por conta das dificuldades orçamentárias enfrentadas atualmente tanto pelo governo federal como pelos governos estaduais e municipais, o Estado, nos próximos anos, reduzirá significativamente seus investimentos no setor do trabalho.

E a situação ficará ainda mais complicada depois que for decidido o tamanho do contingenciamento de verbas do Orçamento da União.

Certamente que haverá uma forte redução de recursos para os programas federais de estímulo ao emprego e para geração de renda, assim como para os de qualificação profissional.

E ainda teremos pela frente as medidas do chamado ajuste fiscal, que penalizam ainda mais os assalariados.

Os problemas são muitos.

É preciso ouvir com atenção o clamor dos trabalhadores, pois são eles que contribuem para a grandeza e a prosperidade nacional.

Em face desta situação, o PTB se mantém comprometido e empenhado com a busca de alternativas para os problemas atuais do mercado de trabalho.

A doutrina do PTB é justamente a do trabalhismo, e nossa missão é a de defender o trabalhador na relação com o empregador, harmonizando as relações entre as classes trabalhadoras e as classes produtivas, para que haja o respeito aos direitos de quem trabalha.

Para nós, trabalhistas, justiça social é dinheiro no bolso do trabalhador.

Por isso, o PTB não aceita que mexam nos direitos conquistados pelo trabalhador.

Essa é a nossa maior luta.

O PTB, meus amigos, é trabalho.

O PTB, meus irmãos, é o trabalhador.

Enfim, apesar de todos os problemas e das dificuldades dos tempos atuais, o trabalhador merece comemorar o seu dia.

Portanto, desejo a todos os trabalhadores e trabalhadoras do nosso país um excelente dia 1º de maio.

Deixo aqui minhas saudações e minhas homenagens a todos os que, com garra e coragem, ajudam a construir o futuro desta nossa grande Nação.

Cristiane BrasilPresidente Nacional do PTB