Osvaldo Sobrinho avalia estudo sobre distribuição de renda no Centro Oeste

PTB Notícias 5/11/2009, 11:33


O senador Osvaldo Sobrinho (PTB-MT) comentou dia 40/11, sobre o estudo feito pelo economista Julio Miragaya, denominado Mapa da Desigualdade Espacial da Renda no Brasil e que revela que a Região Centro Oeste alcançou os mesmos patamares das Regiões Sul e Sudeste em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) per capita.

Ele alertou para a necessidade de políticas públicas para a região que garantam sua sustentabilidade ambiental e a melhor distribuição de renda.

Osvaldo Sobrinho disse que outra constatação feita pelo economista é o papel da atividade agropecuária, tecnologicamente avançada, como principal fonte de riqueza das regiões que apresentaram maior crescimento econômico.

O senador acrescentou que o estudo concluiu que o maior dinamismo econômico deslocou-se do litoral para o interior do país, especialmente nas áreas do cerrado.

– De 31 regiões que mantiveram crescimento médio anual do PIB acima de 10%, entre os períodos de 1999 a 2006, nada menos que 17 se localizam nas áreas de expansão da fronteira agrícola do cerrado, com destaque para o Mato Grosso, Tocantins e Maranhão – destacou.

Na avaliação de Osvaldo Sobrinho, a união de políticas públicas adequadas de fomento com o desenvolvimento de tecnologias avançadas para o setor produtivo, pode transformar a realidade de um município, de uma região ou de um país.

O senador observou que, no entanto, o aumento de produção e renda verificado não se distribuiu homogeneamente pelos municípios mato-grossenses ou do Centro Oeste.

Para o senador, a grande questão agora é a sustentabilidade do desenvolvimento na região e a preservação dos biomas, especialmente a contenção do avanço dos desmatamentos no cerrado.

Ele citou o estudo da Universidade Federal de Goiás que alerta para o desmatamento, que já atinge uma área de 800 mil quilômetros quadrados e que, se for mantido o atual ritmo de avanço da fronteira agrícola e da pecuária, em 40 anos atingirá 960 mil quilômetros quadrados.

* Fonte: Agência Trabalhista de Notícias com informações da Agência Senado