Paes Landim lamenta idade de aposentadoria compulsória de magistrados

PTB Notícias 28/09/2007, 8:06


O deputado Paes Landim (PTB-PI), em discurso no plenário da Câmara, disse que, desde a Constituinte, vem lutando em vão para o aumento da idade da aposentadoria compulsória de todos os servidores públicos, sobretudo dos Magistrados.

O parlamentar citou o exemplo do Ministro Sebastião de Oliveira Castro Filho, que completou 70 anos em agosto último.

“S.

Exa.

nasceu em Minas Gerais, mas sempre trabalhou e viveu em Goiás, onde foi juiz e professor, ainda hoje leciona, no auge de sua maturidade intelectual.

Foi Desembargador do Tribunal de Justiça do Goiás e, em 2000, nomeado Ministro do Superior Tribunal de Justiça, onde, durante sete anos, enriqueceu o tribunal com sua vasta cultura, saber e experiência no Direito Civil brasileiro”.

“Foi uma pena que o Brasil, na contramão da história em matéria de aposentadoria compulsória, tenha perdido mais um dos grandes juízes deste País, em plena maturidade, repito, intelectual e de consciência jurídica, o Dr.

Sebastião de Oliveira Castro Filho.

Também perdemos espontaneamente, porque antecipou por cinco anos sua aposentadoria compulsória, o Ministro Antônio de Pádua Ribeiro, Presidente do STJ, primeiro Corregedor do Conselho Nacional de Justiça e classificado em primeiro lugar no primeiro concurso de Procurador da República do Brasil”, revelou Paes Landim.

“Conheci Pádua Ribeiro ainda aluno da Universidade de Brasília já auxiliando, informalmente, o grande processualista Moacir Amaral Santos, um homem dedicado ao estudo.

No Ministério Público se impôs pela categoria intelectual de que se revestiu, ele que fez um belo curso colegial no Ginásio de Minas Gerais e estudou no famoso Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, que, naquela época, fazia seleção nacional que recrutava os melhores alunos do Brasil.

Aqui fica aqui, o relato de quem acompanhou a trajetória de Pádua Ribeiro e sabe que sempre foi, sobretudo, um juiz íntegro, moral e intelectualmente, de convicções firmes e de grande autoridade moral, tanto à frente da Corregedoria do STJ quanto da sua Presidência quanto agora”, concluiu o deputado petebista.

Agência Trabalhista de Notícias