Paes Landim pede início de obras da Zona de de Exportação de Parnaíba

PTB Notícias 20/12/2007, 12:57


O deputado Paes Landim, do PTB do Piauí, lamentou que permaneça na estaca zero a proposta feita nos anos 80, pelo então presidente José Sarney, para a criação de várias Zonas Especiais de Processamento de Exportações (ZPEs), entre elas a de Parnaíba, no Piauí.

Segundo ele, Sarney fez a proposta ao retornar de uma viagem à China, por ter ficado impressionado com o papel desempenhado pelas ZPEs do país, as quais, “graças à figura genial de Deng Xiaoping, davam os fantásticos primeiros passos para a modernização chinesa”.

Paes Landim citou discurso de março deste ano, no qual o hoje senador José Sarney retoma a proposta e diz que, se ela tivesse sido implementada, o Brasil estaria talvez em situação mais vantajosa em relação aos demais países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China).

A cidade litorânea de Parnaíba foi incluída na proposta de Sarney, explicou o deputado, porque, segundo a experiência chinesa, as zonas costeiras são as melhores para experimentar uma grande revolução da exportação, por meio de incentivos fiscais.

Decorridos quase 20 anos, disse Paes Landim, o governo federal editou, em julho, um decreto pelo qual o ato de criação das ZPEs, já autorizadas desde 13 de outubro de 1994, vai caducar se, no prazo de 12 meses, as administradoras não iniciarem as obras de implantação.

No caso de Parnaíba, a caducidade ocorrerá em julho de 2008.

Citando estudos do professor Renato Santos Junior, o deputado defendeu a manutenção da ZPE de Parnaíba, sob o argumento de que o Piauí deve consolidar o que já está autorizado, e não pensar em outrar áreas.

A ZPE de Parnaíba, disse, foi “uma grande idéia do presidente Sarney”, que conhece a cidade e sabe que ela já foi o maior centro comercial do Nordeste, pois negociava diretamente com a Europa.

“A cidade tem todo um potencial, uma história de tradição com o comércio marítimo”, afirmou.

Paes Landim lembrou que, quando o rio Parnaíba era navegável, lá operava uma companhia de navegação marítima, fundada no Século XIX, que desapareceu devido à queda do preço da carnaúba e do babaçu.

“Mas a cidade continua com potencial, sobretudo para qualificação de mão-de-obra”, argumentou, acrescentando que agora Parnaíba terá seu aeroporto internacional, além de uma hidrovia que pode ser recuperada para levar seus produtos para o Porto de Itaqui, no Maranhão.

Segundo o deputado, a cidade está perto também do porto de Pecém, no Ceará, e há uma ferrovia paralisada que pode ser reativada.

fonte: Jornal do Senado