Para Collor, juventude brasileira poderá ter futuro promissor com pré-sal

PTB Notícias 1/05/2010, 12:00


O resultado dos primeiros painéis realizados pela Comissão de Serviço de Infraestrutura do Senado, para debater sobre a Agenda 2010-2015 – Recursos Humanos para Inovação e Competitividade, são, na opinião do presidente da comissão, senador Fernando Collor (PTB), animadores para a juventude brasileira.

Ele chegou à conclusão de que os jovens do Brasil, agora, mais do que nunca, tem todas as condições de acreditar no futuro do Brasil e na possibilidade de conseguirem empregos.

Na avaliação do senador Fernando Collor, é importante que o mundo acadêmico, coordenado com o Governo e empresas como a Petrobras, estimulem os jovens a se dedicarem ao estudo de profissões mais técnicas, para o atendimento das demandas do país com projetos estratégicos como a exploração da camada pré-sal.

Collor lembrou que existe um déficit profissional no setor de engenharia, que tem sido demandado pelo país nos últimos tempos, especialmente com o advento do pré-sal.

“O desenvolvimento do nosso país passa pela tecnologia e os jovens precisam se qualificar para garantir um trabalho digno e um futuro melhor para o nosso país”, alertou o senador.

Nesta semana a Comissão de Infraestrutura realizou o oitavo painel para debater sobre os Recursos Humanos na exploração e comercialização de Gás na área de Petroquímica.

Estiveram presentes como debatedores Bernardo Gradin, Presidente da Braskem; José Renato de Almeida, Coordenador-Executivo do Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural – PROMINP; John Forman, Presidente da J.

Forman Consultoria; Armando Guedes Coelho, Presidente da Comissão de Energia da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, FIRJAN e, Eduardo Setton, Coordenador do Projeto Galileu na Universidade Federal de Alagoas – UFAL.

Durante a palestra Setton destacou o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Laboratório de Computação Científica e Visual (CCCV) da UFAL, em parceria com a Petrobras, em busca de soluções para os problemas de engenharia e tecnológico da Petrobras na exploração da camada pré-sal.

Os estudos e simulações podem ajudar a Petrobras a atravessar as espessas camadas de rochas salinas, a 6 mil metros de profundidade.

O professor Setton explicou que o projeto que integra a Rede Galileu usa recursos da mecânica computacional, com trabalhos relacionados a dutos, reservatórios, sistemas de ancoragem e raisens.

Ele disse que embora reconheça a importância do investimento na pesquisa de ponta, é importante que se invista também nos cursos técnicos e no ensino básico de engenharia em função da demanda de mão-de-obra que vem sendo exigida.

fonte: Assessoria de Imprensa do senador Fernando Collor (PTB-AL)