Pastor Luiz Barbosa cobra maior participação do PTB no governo de Bauru

PTB Notícias 2/03/2009, 8:09


Há exatamente 60 dias o vereador Pastor Luiz Barbosa (PTB) deixava a condição de coadjuvante para ser alçado pela base governista à presidência da Câmara Legislativa de Bauru (SP).

Naquele momento ele deveria ser mais um aliado do prefeito Rodrigo Agostinho (PMDB).

O clima, no entanto, mudou.

E muito.

O terceiro homem na hierarquia municipal hoje cobra publicamente do prefeito participação do seu partido no governo.

No mais duro ataque contra a administração até agora, Pastor Luiz deixa clara sua insatisfação e diz que Rodrigo “precisa ter mais respeito com o PTB”.

“O meu partido deu uma grande contribuição na campanha do prefeito.

Se não fosse o PTB, talvez ele nem tivesse ganhado a eleição”, diz.

“O que nós queremos é participar do governo.

Se você não faz parte do governo fica difícil ajudar”, continua, em tom de ameaça.

Quando perguntado o que especificamente o PTB quer, Pastor Luiz é evasivo, mas não disfarça que a intenção do partido é ter um cargo no primeiro escalão.

“Participar do governo é estar lá dentro.

E hoje nós não estamos.

O prefeito precisa ter mais respeito com o PTB.

Agora nós temos a presidência da Câmara, somos um grupo forte”.

Ele repete que a reivindicação é justa porque o PTB tem trânsito hoje tanto no governo estadual como no federal.

O partido comanda a Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Turismo e o Ministério das Relações Institucionais.

“Nós temos pessoas amigas que estão no governo que podem trazer verbas.

Só queremos ajudar”.

Apesar das reclamações, ele garante que nunca conversou sobre esse assunto com Rodrigo.

“Ele nos procurou na eleição e agora ele é que tem que nos procurar”.

Apesar da forte cobrança sobre Rodrigo, Pastor Luiz disse que “nunca esteve tão próximo do prefeito”.

“Meu pedido aqui é pela governabilidade, é por buscar recursos.

O PTB sempre tem trabalhado por Bauru, tanto do governo federal como do estadual.

Nós podemos ajudar, temos os caminhos, mas não desse jeito.

O cargo que nós temos hoje aqui dá condição para que a gente cobre”.

Além de cobrar cargos no primeiro escalão da prefeitura, Pastor Luiz Barbosa admite que ficou “chateado” com o fato de Rodrigo Agostinho (PMDB) ter descartado o uso de presos na limpeza da cidade.

A proposta, segundo o presidente da Câmara, teria sido bem recebida por Rodrigo, mas, para a imprensa, o prefeito disse preferir dar emprego para desempregados a para detentos.

“Para minha surpresa ele ficou colocando um monte de obstáculos, tudo coisas pequenas que daria para resolver”, diz.

A partir daí, Pastor Luiz passou a criticar o governo, principalmente as nomeações na Sear.

“E não adianta falar que vai contratar gente porque o orçamento não comporta.

Eu realmente fiquei chateado por causa disso, mas isso não quebrou o relacionamento”.

* Agência Trabalhista de Notícias com informações do Portal Rede Bom Dia