Pastor Manoel Ferreira critica política de segurança do Rio de Janeiro

PTB Notícias 21/04/2007, 8:23


O deputado Pastor Manoel Ferreira (PTB-RJ), em discurso no plenário da Câmara, criticou a política de segurança do Governador Sérgio Cabral.

Segundo ele, o Governador do Estado do Rio de Janeiro não tem sido feliz na sua política de segurança: “Há total descontrole.

O Governador pede ao Poder Público Federal 30 mil homens para fazer frente à corrupta PM do Rio de Janeiro”.

Manoel Ferreira também criticou a comparação feita por Sérgio Cabral com a violência da Colômbia: “O Governador esteve na Colômbia para ver como funciona a área de segurança nesse país.

Com todo o respeito que tenho àquela nação, é lamentável comparar os parâmetros da Colômbia com os do Brasil.

A desigualdade chega a ser desumana.

E a Colômbia está conseguindo manter-se graças à enxurrada de dólares que os Estados Unidos lá despejam para tentar conter o avanço das drogas, especialmente da cocaína.

Ir à Colômbia buscar inspiração para combater a violência no Rio de Janeiro? Não é possível aceitar”, afirmou ele.

“Sérgio Cabral voltou de Medellín com a proposta de construir na favela da Rocinha um bonde aéreo.

Com isso, acredita o Governador que combaterá a violência no Rio de Janeiro.

Tenha santa paciência! É difícil de aceitar tal idéia.

A Rocinha e outras favelas e morros do Rio de Janeiro estão precisando, Governador, de comida e de remédio, não de bonde aéreo”, disse o deputado do PTB.

“O Rio de Janeiro precisa de política social mais avançada, precisa encontrar uma maneira de tirar das ruas as crianças que pedem esmola para comer.

O Rio de Janeiro precisa de ajuda, de recurso, de oportunidade e de emprego.

São essas as soluções, não as de curto prazo, mas quiçá de médio e longo prazos, para resolver o problema da violência do nosso Estado e desta Nação.

É necessário que o Governador reflita melhor sobre o tema.

Não é com o Exército em cima da PM corrupta, que se resolverá o problema do Rio de Janeiro.

Não! O problema do Rio de Janeiro vai ser resolvido com políticas sociais, com oportunidade de emprego, educação e saúde”, finalizou o parlamentar petebista.

Agência Trabalhista de Notícias.