Patrimônio histórico é tema de discussões na Assembléia de Tocantins

PTB Notícias 26/08/2007, 8:32


A preocupação com o patrimônio histórico tocantinense fez parte do discurso do deputado estadual José Geraldo (PTB/TO), na tarde da última quarta-feira (22/08), durante sessão ordinária.

Em seu pronunciamento, o petebista cobrou dos demais parlamentares uma maior atenção com os marcos e registros históricos do Estado, destacando os patrimônios naturais e culturais da região.

José Geraldo chamou a atenção pro caso da primeira sede da Assembléia Legislativa do Estado, que continua sem resposta.

De acordo com o deputado este caso é de extrema urgência, uma vez que existe a necessidade de ações eficazes e capazes de solucionar o problema.

“É urgente a necessidade de socorro e respeito aos que por aqui passaram e honraram com dignidade a representação de nossa gente”, avaliou.

Segundo Geraldo, o Estado possui cidades que abrigam peças importantes da ocupação das terras tocantinenses, principalmente em Dianópolis, Monte do Carmo, Paranã, Porto Nacional, Tocantinópolis, Arraias e Natividade, que registram em suas ruas este período.

Ele destacou ainda o conjunto arquitetônico de Natividade, onde o patrimônio histórico federal tombou monumentos como a Igreja Matriz Nossa Senhora da Natividade, a Igreja de São Benedito e as Ruínas da Igreja de Nossa Senhora do Rosário.

Entre outros aspectos históricos citados pelo deputado estão os parques do Araguaia, do Cantão, do Lajeado, Jalapão e a floresta petrificada de Filadélfia.

“Este patrimônio é um legado para as futuras gerações, começando pelo aspecto das riquezas naturais, sabemos a importância de se preservar nossa biodiversidade, com preciosidades inda não reveladas de nossa natureza”.

O deputado também defendeu as expressões culturais, como a sússia, jiquitaia, dança do lindô e catira, além do artesanato representado pelas cerâmicas da cidade de Lajeado, o capim dourado do Jalapão.

O parlamentar afirmou que todos são exemplos “da alma, da cultura e da vida no Tocantins”.

Agência Trabalhista de Notícias