Pedro Augusto Bezerra diz que discorda de pontos da proposta de reforma da Previdência

Agência Trabalhista de Notícias - 13/03/2019, 8:23

Crédito: João Ricardo/Liderança do PTB na Câmara

Imagem

O deputado Pedro Augusto Bezerra (PTB-CE) afirmou que vai trabalhar, na Câmara dos Deputados, para mudar alguns pontos da proposta de reforma da Previdência apresentada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro. O petebista citou, de forma específica, o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e a aposentadoria rural e de professores.

“As pessoas estão preocupadas, achando que esse projeto já é o definitivo e que já iria para votação. Fiquem tranquilos, porque ainda existe muito o que ser discutido. Da minha parte, existem vários pontos dos quais discordo e pretendo levar ao governo sugestões para que sejam solucionados”, declarou.

BPC

A proposta do governo prevê a desvinculação do BPC do valor do salário mínimo, hoje em R$ 998 mensais. A medida não atinge pessoas com deficiência, que continuarão a receber o salário mínimo.

O texto prevê o pagamento do benefício conforme a idade da pessoa em condição de miserabilidade. Aos 60 anos, o valor proposto é R$ 400; aos 70, um salário mínimo. Atualmente, o idoso em condição de miserabilidade recebe um salário mínimo a partir dos 65 anos.

Aposentadoria rural

A proposta do Executivo pretende aumentar a idade para aposentadoria das mulheres no campo, dos atuais 55 para 60 anos, igualando com o mínimo exigido hoje dos homens.

Além disso, quer elevar o tempo de contribuição de 15 para 20 anos para ambos os sexos e prevê que, até a elaboração de norma futura, a contribuição mínima por grupo familiar seja de R$ 600 anuais.

“Vamos cobrar mudanças no BPC e em relação aos trabalhadores rurais. Também não podemos deixar de pensar nas professoras, e estou me referindo em particular às mulheres que ensinam. Muitas delas têm jornada tripla, inclusive. Claro que isso diz respeito aos professores de modo geral, porque considero, hoje, uma profissão de risco. Também não vamos esquecer de modo algum os profissionais de segurança, sejam eles os de enfrentamento ou socioeducativos”, ressaltou Pedro Augusto Bezerra.

Com informações da assessoria da Liderança do PTB na Câmara dos Deputados