Pesquisa demonstra que em Juiz de Fora não há crianças morando nas ruas

PTB Notícias 15/12/2007, 17:39


Um importante indicativo social divulgado em pesquisa encomendada pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese) à Fundação João Pinheiro vem atestar que o público infanto-juvenil é, sem dúvida, prioridade na administração do prefeito Alberto Bejani (PTB/MG).

De acordo com o levantamento divulgado no final de novembro, em Juiz de Fora não há crianças morando nas ruas.

“O resultado é, sem dúvida, reflexo do trabalho articulado desenvolvido pela rede de proteção à criança e ao adolescente, que envolve o poder público e a sociedade civil”, afirma a secretária de Política Social, Vanessa Loçasso Bejani.

Sobre o aspecto da população infantil em situação de rua exercendo alguma atividade laborativa, Juiz de Fora apresentou o menor índice entre as cidades estudadas.

Os pesquisadores encontraram apenas 43 crianças e adolescentes nestas condições.

Para atingir estes resultados, a administração municipal vem investindo em ações preventivas, de proteção e de inclusão produtiva.

Em 2005, uma das primeiras realizações da Prefeitura foi a elaboração de um catálogo que reúne informações sobre mais de 247 serviços de atendimento nesta área.

“Foram iniciativas como o Projeto Novo Cidadão, o Programa de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (Procesca), o Centro de Atenção Psicossocial da Infância e Juventude (Caps IJ) e o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD), só para exemplificar entre inúmeras ações no âmbito da administração, que garantiram ao prefeito Alberto Bejani o Selo Prefeito Amigo da Criança, no biênio 2005/2006, concedido pela Fundação Abrinq”, ressalta Vanessa.

Na AMAC, parte integrante desta rede, os jovens encabeçam a pauta de prioridades, representando 60% dos atendimentos diários, o equivalente a cerca de 12 mil crianças e adolescentes inseridos nos programas socioeducativos, de inclusão produtiva e de combate ao trabalho infantil.

Lançado em 2005, o Projeto Novo Cidadão tem o objetivo de oferecer oportunidades de inclusão produtiva a adolescentes que utilizam a rua como espaço para ganho financeiro.

Ao serem abordados nas ruas, os jovens são encaminhados para atividades socioeducativas e oficinas de artesanato, onde eles aprendem a confeccionar produtos com papel reciclado e MDF.

Os integrantes recebem bolsa-aprendizagem, alimentação, vale-transporte e têm participação nas vendas.

Após cinco meses, o adolescente é encaminhado para outro programa de inclusão produtiva.

Além disso, a AMAC mantém campanhas permanentes de orientação para desestimular esmolas ou compra de mercadorias oferecidas por jovens nas ruas da cidade.

Em dezembro de 2006, 70 mil panfletos da campanha “Não dê esmola.

Dê Futuro” foram distribuídos em vários pontos da cidade.

Em Juiz de Fora, a Associação também é responsável pela coordenação do Programa Federal de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), que oferece 200 vagas para inclusão de crianças e adolescentes de até 16 anos.

No primeiro semestre de 2007, o programa beneficiou 210 bolsistas, oriundos de 127 famílias.

Desses, apenas três residem na zona rural da cidade.

O PETI oferece bolsa no valor de R$ 40 para cada criança retirada do trabalho infantil na zona urbana, e R$ 25 na zona rural.

Além de reuniões e visitas domiciliares, a equipe do programa acompanha a freqüência na escola e nos programas de ações complementares, o que é conhecido como jornada ampliada.

Até julho, 165 foram inseridos em programas oferecidos pela AMAC e os demais, na rede de parceiros.

O Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), da Secretaria de Saúde, Saneamento e Desenvolvimento Ambiental, atende em média 500 crianças por mês.

São realizadas cerca de 350 consultas mensais, oficinas e terapias oferecidas duas ou três vezes por semana.

O Departamento de Saúde da Criança e do Adolescente faz aproximadamente 12,5 mil consultas mensais, divididos entre exames clínicos especializados e atendimentos pediátricos.

Agência Trabalhista de Notícias (com informações da PJF)