Petebista de Londrina quer investigação sobre possíveis livros racistas

PTB Notícias 24/09/2011, 9:21


O vereador Rony Alves (PTB) encaminhou um ofício para a Prefeitura de Londrina (PR).

Ele quer que o município justifique a compra dos 13,5 exemplares da obra “Vivenciando a Cultura Afro-Brasileira e Indígena”.

A atual administração investiu mais de R$ 600 mil no material.

Os livros foram considerados racistas por entidades do Movimento Negro de Londrina.

Após a constatação, a obra foi recolhida das escolas municipais.

Segundo o vereador, a Editora Ética, responsável pelo oferecimento dos livros, só foi escolhida pelo município depois de ser apresentada à atual administração pelo até então chefe de gabinete do prefeito Barbosa Neto, Fábio Passos de Góes.

Alves lembrou que Góes é natural da Bahia, o mesmo estado da Editora Ética.

“Pessoas que estiveram envolvidas no processo confirmaram a influência do ex-chefe de gabinete no processo de aquisição dos livros”, argumentou o parlamentar, referindo-se à medida aberta pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Londrina, justamente para investigar a compra dos exemplares.

A prefeitura investiu os R$ 621 mil através de um processo de inexigibilidade de licitação, de forma direta e sem concorrência pública.

A rapidez na aquisição do material chamou a atenção do Ministério Público.

A promotora Leila Voltarelli quer, agora, ouvir a secretária municipal de Educação, Karin Sabec Vianna, para tentar esclarecer alguns pontos do processo.

Já Rony Alves, que é presidente da Comissão de Educação do Legislativo, não descartou pedir a abertura de mais uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) na Câmara para a apuração da compra dos livros.

“A prefeitura tem até a próxima semana para apresentar as justificativas.

Com o término do prazo, vou analisar se apresento ou não a solicitação.

” Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações do Portal Bonde News