Petebista Rony Alves recolhe assinaturas para CEI da Educação

PTB Notícias 3/02/2012, 7:47


O vereador de Londrina Rony Alves (PTB) aproveitou a primeira sessão ordinária da Camara Municipal nesta quinta-feira, 2/2, para coletar assinaturas para abertura da Comissão Especial de Inquéirito (CEI) da Educação.

De acordo com ele, o pedido da investigação está pronto e deverá ser protocolado até a próxima terça-feira (13), segundo encontro do legislativo.

De acordo com o vereador, três temas estão sendo apontados para a apuração da Casa: a compra da coleção “Vivenciando a Cultura Afro-Brasileira e Indígena”, considerada racista por entidades negras, a aquisição dos kits de uniformes por carona e o contrato da merenda escolar.

O pedido deverá ser feito após a decisão dos novos líderes das Comissões Permanentes da Câmara, pauta desta quinta-feira no legislativo.

Atualmente, Alves é presidente da Comissão de Educação e assim como ele, os demais membros do grupo, os vereadores Eloir Valença (PHS) e Tito Valle apoiam nova CEI.

Para que a investigação seja aberta, serão necessários sete votos.

A previsão é que o número seja maior, uma vez que os demais membros da oposição devem aderir a proposta.

A CEI deve avaliar o caso dos livros comprados por R$ 621 mil pelo município de Londrina.

O contéudo fo material foi questionado, pois apresentava erros de português.

Além disso, entidades negras ainda o apontaram como preconceituoso.

A prefeitura chegou a pedir o ressarcimento dos valores pagos à Editora Ética, mas não conseguiu formalizar o procedimento.

Ja no caso da merenda escolar, a empresa contratada pela administração é investigada pelo Ministério Público de pertencer a um esquema de cartel.

O MP recomentou rompimento do contrato com a Geraldo J.

Coan & Cia Ltda, mas o município manteve o contrato, chegando a prorrogá-lo no início de 2012 por mais 30 dias.

A medida foi tomada para que seja feita a contratação de uma nova empresa.

Sobre o caso dos uniformes, Alves destacou que muitas crianças deixaram de receber o kit completo fornecido pela prefeitura no ano passado.

A compra, realizada através da modalidade de carona, ainda foi apurada pela Procuradoria da República, que remeteu a investigação ao Ministério Público Estadual.

Agência Trabalhista de Notícias (LL) com informações do Portal O Diário.

com