PI: Joel Rodrigues defende políticas sociais voltadas à população negra

PTB Notícias 26/11/2015, 8:11


O Dia da Consciência Negra foi celebrado, na quarta-feira (25/11/2015), na Assembleia Legislativa do Piauí.

A realização da sessão solene, presidida pela deputada Flora Izabel, atendeu a requerimento do deputado Joel Rodrigues (PTB).

Representantes de entidades ligadas ao movimento negro ocuparam a tribuna para defender maior participação no Orçamento Estadual para implementação de políticas sociais voltadas à população negra do Estado.

O deputado Joel Rodrigues, um dos representantes da raça negra com assento na Assembleia o Piauí, fez questão de destacar a sua história pessoal para ilustrar a luta dos negros para garantir os seus direitos constitucionais.

Ele lembrou que a exclusão contribui para perpetuar a escravidão e conclamou os movimentos sociais para intensificar a luta por mais políticas publicas destinadas a essa população.

O escritor e pesquisador Ruimar Batista também ocupou a tribuna da Casa.

Ele começou o seu discurso com uma saudação em iorubá (língua africana) lembrando vultos como Zumbi dos Palmares e a escrava piauiense Esperança Garcia.

Ele lamentou que personalidades como o geógrafo Milton Santos e o engenheiro e inventor André Rebouças não sejam destacados enquanto negros, servindo de referências para as futuras gerações.

Maior participação no Orçamento Estadual para implementação de políticas publicas dirigidas à população afrodescendente foi a principal reivindicação da Coordenadora de Igualdade Social do Governo do Estado, Assunção Aguiar.

Em seu discurso ela também falou da importância do Dia da Consciência Negra.

“Hoje nos estamos fazendo valer a luta dos nossos ancestrais”, disse.

O diretor de Ressocialização da Secretaria de Justiça, Francisco Antonio de Sousa Filho, lamentou que a maior parte da população carcerária brasileira é de origem negra.

“O acesso à educação de qualidade ainda é negado aos negros e isso faz toda a diferença”, disse.

Ele lembrou que foi um dos poucos a ter acesso à universidade em sua família.

Francisco Antonio é advogado e tecnólogo em processamento de dados e foi o primeiro prefeito negro de Esperantina.

Agência Trabalhista de Notícias (LL), com informações da Assembleia Legislativa do Piauí Foto: Divulgação/Assessoria