Prefeita Kelly Moraes se reúne com diretores da empresa Alliance One

PTB Notícias 17/03/2010, 8:51


A decisão da Alliance One de instalar uma unidade em Araranguá, Santa Catarina, voltou a provocar mobilização política em Santa Cruz do Sul.

O lançamento da pedra fundamental da nova usina ocorre às 10h30 de hoje, 17/03, em evento festivo no Estado vizinho.

Embora a decisão seja irreversível, a prefeita Kelly Moraes (PTB) se reuniu com diretores da empresa ontem, 16/03, pela manhã.

A visita foi de cortesia, mas serviu para mostrar a preocupação em torno do assunto.

Acompanhada do secretário de Governo, Marco Borba e do secretário de Desenvolvimento Econômico, Jair Jasper, a prefeita ressaltou os impactos que podem ser causados à região.

Na reunião, Kelly falou ao diretor Regional para a América do Sul da empresa, Eduardo Renner, que a transferência da unidade poderá afetar o mercado de trabalho em Santa Cruz do Sul.

Renner ponderou dizendo que essa também é uma preocupação da Alliance, que está buscando formas de amenizar a dispensa da mão-de-obra por meio da elaboração de projetos para diminuir o impacto causado pela mudança.

A prefeita disse que o município está à disposição para ajudar em projetos desenvolvidos pela multinacional.

“Estou preocupada com a situação dos nossos trabalhadores, mas acredito que a Alliance encontrará uma forma de amenizar as consequências que isso vai gerar na nossa comunidade”.

UM TERÇO A MENOS A unidade de compra e processamento de tabaco de Araranguá terá uma área de 85 mil metros quadrados e capacidade de processamento de 70 mil toneladas.

A obra deve estar concluída até a safra de 2011.

Com um investimento estimado em R$ 100 milhões, a usina deverá gerar aproximadamente 1,5 mil empregos diretos, entre efetivos e temporários.

A empresa justifica que o empreendimento tem como objetivo conter o acúmulo de créditos de ICMS nas operações com tabaco.

Com a unidade o produto cultivado em Santa Catarina e Paraná deixará de ser beneficiado no Vale do Rio Pardo.

A previsão é de que esse volume chegue a 30% do que atualmente é processado nas linhas de Santa Cruz e Venâncio Aires.

Saiba mais A Alliance One confirmou a unidade de Santa Catarina como uma estratégia de evitar a geração de créditos de ICMS.

Esses créditos são gerados no momento em que o tabaco in natura é trazido para beneficiamento no Rio Grande do Sul.

O ressarcimento pelos valores deveria ser feito pelo governo gaúcho.

Entretanto, segundo a empresa, existem R$ 170 milhões retidos e não há previsão de quando ocorrerá o pagamento.

Com a usina em solo catarinense deixam de ser gerados os créditos.

* Agência Trabalhista de Notícias com informações da Gazeta do Sul