Prefeito Alberto Bejani entrega painel restaurado de Portinari

PTB Notícias 13/09/2007, 10:45


O prefeito de Juiz de Fora, Alberto Bejani (PTB/MG), entregou nesta quarta-feira (12/09) à população de Juiz de Fora, o painel “As Quatro Estações”, do mestre Candido Portinari.

A obra, instalada na fachada do Edifício Clube Juiz de Fora, na esquina da Avenida Rio Branco com Rua Halfeld, acaba de passar por restauro, que lhe restituiu a integridade física, estética e histórica.

A intervenção foi viabilizada por meio de parceria entre a Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage – Funalfa e patrocínio da operadora TIM.

A cerimônia de descerramento da placa acontece às 18h, em frente ao monumento.

Em seguida, no Anfiteatro João Carriço, na sede da Funalfa (Avenida Rio Branco 2234), haverá solenidade, reunindo autoridades e convidados, com a apresentação do Coral Pró Arteducação patrocinado pela Tim.

O restauro do monumento, aprovado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural (Comppac), teve início em junho e foi executado pela empresa Espaço Tempo Arquitetura e Restauro.

O trabalhou incluiu higienização (limpeza geral da obra e das pastilhas da moldura que a contornam); absorção de sais com água desmineralizada; aplicação de fungicida; consolidação das áreas com perdas de vidrado, pintura ou base; preenchimento das trincas e complementação do rejunte desgastado.

A TIM vai lançar ainda, cartão temático de recarga para celular, com reprodução do mosaico “As Quatro Estações”, acompanhado por encarte, com informações sobre o Portinari e sobre o monumento, tombado pelo município em 1997.

O cartão poderá ser adquirido nos pontos de venda de recarga como: lojas, bancas de jornais, padarias e supermercados.

Bejani destaca a importância da iniciativa e seu impacto para o município.

“Temos um patrimônio cultural inestimável e cabe a cada um de nós, poder público, iniciativa privada e população, darmos as mãos e abraçarmos a importante missão de preservar nossa história.

Esta obra de Portinari tem um significado importante para os juizforanos, que a reconhecem como um tesouro do modernismo no Brasil, nos remetendo aos anos 50, que tão bem souberam projetar nossa cidade no cenário nacional.

Esta restauração é parte da contribuição desta administração para a manutenção da memória coletiva de Juiz de Fora”.

Já o diretor da TIM em Minas Gerais, Luiz Gonzaga Leal, ressalta que a restauração demonstra a preocupação da empresa com a preservação da cultura nacional.

“Participar da restauração do monumento e entregá-lo novamente aos moradores e visitantes é uma grande oportunidade para a TIM facilitar o acesso de todos à cultura e à história.

“O painel “As Quatro Estações”, datado e assinado em 1956, mede 4,48m de altura por 7,95m de largura e, junto com outros 11 painéis em azulejos, integram um dos mais expressivos acervos a céu aberto do Brasil.

Produzido por Portinari, com colaboração de José Moraes e Paulo Fonseca (especialistas em mosaicos), e executado pela empresa Osiarte, de São Paulo, foi instalado naquele ano na fachada do Edifício Clube Juiz de Fora, construção modernista projetado pelo arquiteto Francisco Bolonha, após ser encomendado pela Associação Civil Clube Juiz de Fora.

Na época a proposta era integrar arquitetura e artes plásticas, típica filosofia do período.

Todos estes painéis de Portinari são de azulejos brancos com pintura em tons de azul, fazendo referência à tradição portuguesa sendo inclusive, este tom específico, batizado por Roberto Osir de “azul Portinari”.

Candido Portinari criava os esboços a lápis, preparava as maquetes em tamanho reduzido com todas as características dos painéis e encaminhava para Paulo Roberto Osir, proprietário da Osirarte, que realizava, em sua fábrica artesanal, a pintura nos azulejos em tamanho original e providenciava o cozimento.

A obra apresenta uma dinâmica na sua composição, pois as formas abstratas e curvilíneas se transpassam, criando movimento.

O azul e o branco fazem um jogo de “negativo e positivo”, onde a cor mais escura leva o olhar a percorrer a totalidade da superfície, o que podemos decifrar como a mudança das estações.

Na fachada lateral, Portinari criou ainda o mosaico em pastilha cerâmica intitulado “Cavalo”, que forma um conjunto de pequenos murais, cada um medindo 0,96 cm de altura por 1,63 metro, sintetizando o vai-e-vem das pessoas em uma das principais ruas da cidade.

As duas obras podem ser consideradas como marco do período modernista não só na cidade, mas em todo país.

Além do painel “As Quatro Estações”, segundo o Instituto Portinari, existem outros 11 painéis em azulejos em azul e branco distribuídos por Minas Gerais, Rio de Janeiro, Petrópolis, além de um na França.

Agência Trabalhista de Notícias (com informações da PJF)