Prefeito Amazonino Mendes fala sobre situação dos professores no Estado

PTB Notícias 10/05/2011, 13:57


A principal causa da crise no ensino fundamental e médio no Brasil é a política salarial do professor.

A observação foi feita pelo prefeito de Manaus, Amazonino Mendes(PTB-AM), ao inaugurar a Escola Municipal Desembargador Cândido Honório Ferreira no Bairro do Alvorada na noite da última segunda-feira (8/05/2011).

Para o prefeito, sem um salário condizente, a carreira de magistério não estimula a formação de novos professores.

“Tem escolas fechando em outros Estados porque faltam professores em várias disciplinas, como matemática.

O número de pessoas que procuram cursos de licenciaturas vem diminuindo nas faculdades.

O problema é que o quadro de professor é gigantesco.

Qualquer aumento reflete diretamente no tesouro e aí ficamos amarrados”, afirmou.

Amazonino em companhia do secretário municipal de Educação Mauro Lippi inaugurou as novas instalações da escola, com 14 salas de aula, uma sala multifuncional para crianças portadoras de necessidade especiais, laboratório de informática, auditório e quadra poliesportiva.

A escola estava desativada desde 2008.

Inicialmente a Prefeitura tentou fazer uma reforma e ampliação.

Dado ao grau de deterioração, a Secretaria Municipal de Educação optou por fazer uma reconstrução.

A escola vai atender 600 alunos em dois turnos, matutino e vespertino.

São doze turmas pela manhã e outras dez à tarde.

Um dos líderes comunitários do Bairro do Alvorada presente na solenidade, César Guerreiro, lembrou que há quatro anos a comunidade ansiava por aquele momento, o da devolução da escola para as crianças do bairro.

Em sua fala, o secretário municipal de Educação fez um breve balanço sobre o desempenho do setor desde 2009, quando Amazonino assumiu a administração da Prefeitura de Manaus.

A reforma de 220 escolas de um total de 480 municipais das quais 138 são alugadas, o fim do turno intermediário (turno da fome), um dos compromissos de campanha de Amazonino em 2008.

“Todos vocês são testemunhas de como o prefeito encontrou a educação em Manaus”, assinalou Mauro Lippi ao falar sobre o processo de revitalização da rede de ensino do município.

Terceira maior redePara uma plateia formada de professores, diretores de escola, pais de alunos e líderes comunitários, o prefeito Amazonino Mendes observou que Manaus possui a terceira maior rede de escolas municipais do Brasil.

Só fica atrás de São Paulo e Rio de Janeiro.

Apesar dos números significativos na melhoria das condições no ensino municipal, Amazonino mostrou preocupação em resolver problemas pendentes.

“Ainda temos 138 escolas alugadas.

Elas não são boas.

São escolas improvisadas que você aluga de terceiros, prédios que não foram feitos para ser escola.

A demanda é grande”.

O prefeito assinalou que foi o administrador que mais construiu escolas do alto dos seus três mandatos de governador e de prefeito de Manaus.

“Ninguém construiu mais escolas na história do Estado desde Tenreiro Aranha”.

Ele se mostrou preocupado com o fato de conciliar a reforma de escolas e a manutenção dos alunos em salas de aula.

Revelou que está procurando com o secretário Mauro Lippi, conseguir uma fórmula para que as crianças das escolas em obras não sejam submetidas ao calendário especial para cumprir a carga de número de dias letivo na rede.

Segundo o prefeito atualmente dos 240 mil alunos, apenas 3% estão no calendário especial.

Este percentual deverá cair para 1% nos próximos dias com a conclusão de várias obras de reforma.

Falando aos professores, Amazonino Mendes reafirmou a necessidade de uma maior valorização salarial para os professores.

Para o prefeito a recente decisão do Supremo Tribunal Federal em fixar um piso mínimo para professores “foi acertadíssima”.

Segundo o prefeito o principal obstáculo na concessão de melhores salários aos profissionais do ensino é o orçamento.

Lembrou aos presentes que a Prefeitura Municipal de Manaus é uma das poucas prefeituras que não utilizam somente a verba do Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica), mas recursos do tesouro municipal para complementar a folha de pagamento.

A solenidade contou com a participação do filho do desembargador Cândido Honório homenageado com o nome da escola, o promotor de Justiça Cândido Honório Soares Ferreira Filho.

A escola foi construída na administração do ex-prefeito de Manaus, José Fernandes (ex-deputado federal) no início da década de 80.

Agência Trabalhista de Notícias (PB), com informações da Prefeitura de Manaus