Prefeito Amazonino Mendes reduz tarifa de transporte coletivo em Manaus

PTB Notícias 28/02/2010, 13:00


O prefeito de Manaus, o petebista Amazonino Mendes, anunciou na última sexta-feira (26/2) a redução na tarifa do transporte coletivo para R$2,10.

O novo valor passa a vigorar a partir de segunda-feira, 1º de março.

Em entrevista coletiva, o prefeito deixou claro que a decisão de reduzir o preço da passagem é um anúncio, uma sinalização.

“Manaus agora tem prefeito.

Começa, pra valer, o choque de controle na cidade”, afirmou Amazonino.

Na ocasião, o prefeito fez um relato da situação caótica em que encontrou o sistema de transporte coletivo de Manaus, relembrando que foi obrigado, por determinação judicial, a conceder o reajuste, elevando o preço da passagem para R$ 2,25, logo que assumiu a Prefeitura.

“O transporte coletivo é um sistema intrincado e complexo que requer controle sobre todos os aspectos”, destacou Amazonino.

O prefeito ressaltou que uma das principais causas do caos no setor é a falta de legitimidade da licitação realizada na administração passada.

Amazonino explicou que, como as empresas que operavam no sistema estavam inadimplentes, não poderiam participar de nenhuma concorrência.

Para driblar esse impedimento, foi criada uma “sociedade com finalidade específica” que englobou todas elas.

“Fizeram um arranjo sobre o qual prefiro nem fazer comentários”, disse o prefeito.

Amazonino lembrou que desde o último reajuste, a Prefeitura vem adotando medidas saneadoras, com o objetivo de reduzir a tarifa.

O primeiro passo foi a regulamentação da concessão da meia-passagem, com o cancelamento de cartões PassaFácil que eram utilizados indevidamente.

“Retiramos de circulação mais de 170 mil carteiras fraudulentas que eram usadas irregularmente, e isso sem prejudicar nenhum estudante.

Ninguém ficou sem o direito à meia-passagem, podendo, inclusive, comprar quantas precisar”, disse o prefeito.

No início da semana, o prefeito chamou os permissionários do sistema Executivo, que deverão se enquadrar ao que determina a Lei Municipal nº 1.

361, que regulamenta o serviço e limita, em até 10% da frota do sistema convencional, o número de microônibus em circulação.

Segundo dados do Instituto Municipal de Trânsito e Transportes (IMTT), há pelo menos 300 circulando.

A partir de agora, apenas 127 poderão continuar operando.

“Quando foi criado, a estimativa era que esse serviço transportasse, em média, 600 mil passageiros por mês.

Hoje, mais de dois milhões de pessoas utilizam o Executivo mensalmente.

Isso é predatório e vai acabar”, afirmou Amazonino.

Além disso, o prefeito disse que não vai mais admitir que concessionárias de serviços como a Águas do Amazonas e a Cigás abram buracos indiscriminadamente e a qualquer hora do dia.

Segundo ele, esse tipo de serviço só poderá ser executado depois das 22h.

“Buracos e trânsito congestionado também são fatores que oneram os custos do transporte coletivo.

Faremos um acompanhamento técnico antes de liberar esse tipo de obra”, assegurou Amazonino.

fonte: site da Prefeitura de Manaus (AM)