Prefeitura de Belém abre 2,5 mil vagas para cursos profissionalizantes

PTB Notícias 2/09/2009, 7:04


Continuam abertas as inscrições para o Projovem Urbano, programa de inclusão digital gerenciado pela a Prefeitura de Belém, administrada pelo petebista Duciomar Costa, por meio da Secretaria Municipal de Esporte, Juventude e Lazer (Sejel).

Até o dia 30 de setembro, podem se inscrever jovens com idade entre 18 e 29 anos que saibam ler e escrever e que não tenham concluído ensino fundamental.

São 18 meses de curso com qualificação em quatro áreas: Saúde, Serviços Pessoais, Construção e Reparos II e Vestuário.

“Ao final do curso, o jovem conclui o ensino fundamental e ainda recebe o certificado de qualificação profissional”, detalha o titular da Sejel, Carlos Cunha.

As quatro áreas são dividas por especificidades.

Na área da Saúde: auxiliar de administração em hospitais e clínicas, recepcionistas de consultórios, atendente de laboratório de análises clínicas, atendente de farmácia (balconista).

Já para Serviços Pessoais as especificidades são manicura e pedicura, depilador, cabeleireiro e maquiador.

No caso de Construção e Reparos II, as alternativas são: eletricista de instalação (edifício), instalador reparador de linhas e aparelhos de telecomunicações, instalador de sistemas eletrônicos de segurança.

Por fim, a área de Vestuário, oferece as seguintes opções: costureiro, montador de artefatos de couro, costureira de reparação de roupas e vendedor de comércio varejista.

Além das vagas, o Projovem vai disponibilizar uma bolsa no valor de R$ 100,00 para ajuda de custo.

O início das aulas está previsto para o dia 03 de outubro.

Belém tem mais de 10 mil jovens beneficiados pelo ProjovemApontado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como solução para o problema do desemprego entre os jovens no Brasil, o Projovem é executado em duas versões Projovem Urbano e o Projovem Trabalhador, que hoje já beneficiam 6 mil e 5 mil jovens em Belém, respectivamente.

Os dois programas são instrumentos governamentais de inclusão social.

“Jovem sem ocupação ou oportunidade de estudo e trabalho pode ser mais facilmente cooptado para o crime.

Com o Projovem eles estão recebendo oportunidade de educação, trabalho e informação, que é o que dá a cada um, auto-estima e cidadania”, avalia Carlos Cunha.

* Agência Trabalhista de Notícias com informações da Prefeitura de Belém