Prefeitura de Presidente Prudente investe em programas para a juventude

PTB Notícias 30/04/2010, 11:47


Preparar jovens e adultos com idades entre 14 e 24 anos assistidos por entidades sociais sediadas em Presidente Prudente, e oferecer a eles a primeira oportunidade de trabalho, de forma com que se familiarizem com o ambiente profissional e conheçam mais sobre as políticas de governo.

Esta é a principal proposta do Programa Jovem Aprendiz, instituído pelo prefeito Milton Carlos de Mello “Tupã” (PTB-SP), através da lei nº 6932 de 2009.

Desde que foi colocado em prática, a Prefeitura conta hoje com 35 jovens aprendizes desempenhando funções em pastas e departamentos municipais ligados ao Paço Municipal Florivaldo Leal.

De acordo com o secretário municipal de Administração Alberico Bezerra de Lima, a intenção é aumentar este quadro futuramente “de acordo com a disponibilidade orçamentária do poder público municipal e necessidade das secretarias”.

É que cada um deles é remunerado financeiramente, cujos valores têm variação líquida de R$ 325,00 a um salário mínimo, hoje em R$ 510,00.

“Pela qualidade dos serviços prestados por aqueles que compõem o quadro atual, nossa meta é será sempre atender o máximo possível de jovens aprendizes”, adianta o secretário.

Na Prefeitura, lembra ele, os jovens aprendizes auxiliam os trabalhos nas secretarias de Finanças, Planejamento, Desenvolvimento Urbano e Habitação, Assessoria de Imprensa, Departamento de Protocolo, setor de tributação, entre outros.

“Muitos deles poderiam estar na rua.

Mas não.

Através do programa estão trabalhando, sendo remunerados por isso e ajudando a família em casa.

Essa é a preocupação do prefeito Tupã.

Dar oportunidades ao jovem, tanto que também pretende criar a Coordenadoria Municipal da Juventude”, ressalta o secretário.

Segundo Lima, antes do prefeito Tupã sancionar a legislação municipal, há mais de 20 anos a Prefeitura não mantinha convênio com entidades neste sentido.

Hoje, frisa ele, são parceiras na empreitada a Fundação Mirim, Casa do Pequeno Trabalhador e o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE).

“Dos 35 jovens aprendizes, 15 são da Casa, 15 do CIEE e cinco da Fundação Mirim”, detalha ele.

“Todos são contratados para trabalhar por um ano, mas dependendo do empenho do jovem, este prazo pode ser prorrogável por mais um ano”, acrescenta.

“Além disso, o programa também dá oportunidade para adultos que já estão cursando a faculdade, oferecendo a eles a oportunidade de executarem na prática os ensinamentos transmitidos em salas de aula”, completa o secretário de Administração.

Agência Trabalhista de Notícias com informações da JPTB-SP