Presidente, Anilton Freitas comenta mudanças na Câmara de Lages em 2014

PTB Notícias 11/02/2014, 20:39


O segundo ano da 17ª Legislatura de Lages (SC) já começou e, segundo o presidente da Câmara, vereador Anilton Freitas (PTB), mudanças devem acontecer na Casa.

A começar pelas reuniões plenárias.

Em 2013, as segundas e terças-feiras eram destinadas para a discussão e apreciação das matérias legislativas, enquanto sessões especiais, solenidade e audiências públicas aconteciam nas noites de quarta e quinta-feira.

Esta rotina, segundo Anilton Freitas, não permitia aos vereadores participarem de reuniões nas comunidades e partidárias, e, quando compareciam, gerava um “clima ruim” devido à ausência de alguns nas reuniões da Câmara Municipal.

Neste ano, cada vereador terá direito a uma sessão especial ou audiência pública por semestre.

Em relação às sessões solenes, o vereador pode pedir quantas quiser, no entanto, todas acontecerão no mesmo dia, em local a ser definido.

“Vereador não é só plenário.

Precisamos estar juntos com os líderes comunitários e ouvir os clamores do povo in loco.

Além disso, economizaremos recursos concentrando todos os trabalhos nas segundas e terças-feiras”, argumentou o petebista.

Uma das novidades no Legislativo neste ano é a possibilidade de transmissão em TV aberta dos trabalhos da Câmara de Vereadores.

Atualmente com transmissão apenas pela internet pelo próprio site e pelo canal 27 da Transcabo, a TV Câmara, de Lages, deve compartilhar o sinal digital da Assembleia Legislativa.

Algumas tratativas ainda precisam ser feitas também com a TV Câmara e Senado para efetivação do serviço.

“Com uma antena simples já é possível pegar este sinal.

É importante que o nosso trabalho chegue aos cidadãos lageanos para que estes saibam, efetivamente, quais são as atribuições dos vereadores”, comentou Freitas.

Economia de recursos públicosSobre os recursos superiores a R$ 1,7 milhão que o Legislativo deixou de gastar e devolveu à prefeitura, Anilton Freitas lembrou a campanha que pedia a manutenção de 12 vereadores ao invés de 19, e que tinha como mote o argumento de que esta mudança elevaria os gastos da Câmara.

“O jeito de administrar é o que vale não o número de vereadores.

Tem muitos legisladores novos, mas tenho certeza que neste ano estarão ainda mais experientes e qualificados para os trabalhos”, avaliou.

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Câmara Municipal de LagesFoto: Everton Gregório/Câmara Municipal de Lages