Presidente Cristiane Brasil analisa situação política e econômica do país

PTB Notícias 17/03/2015, 13:15


Leia abaixo o artigo de *Cristiane Brasil: A economia brasileira precisa de correção de rumos, mas o governo não poderá fazê-la à custa do trabalhadorAo longo dos quatro anos do primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff, o governo investiu em uma receita heterodoxa (as chamadas “medidas macroprudenciais”) que vendia como solução para enfrentar os efeitos da crise internacional iniciada em 2008, ainda no governo Lula.

De início funcionou, mas com o tempo foi perdendo força, com seus efeitos se disseminando por toda a cadeia produtiva na forma de pressão inflacionária.

Para bancar gastos com os quais não podia mais arcar, o governo deu de “maquiar” as contas públicas para mostrar um cenário que não era real.

Na verdade, era necessário que o governo começasse a retroceder, adotando medidas mais sérias de controle da inflação, como a contenção do gasto público.

Mas era eleição, e a presidente Dilma escamoteava, insistia em dizer nos debates na TV que o candidato do PSDB, e não ela, iria adotar medidas recessivas de ajuste – aumento de impostos, cortes de verbas públicas, redução de direitos de trabalhadores etc.

– que todos sabiam necessárias.

Até ela.

A bronca geral veio com a mudança radical de postura da presidente após ser reeleita.

Chamou um ministro da Fazenda – Joaquim Levy –, que integrou a equipe do candidato que ela disse que iria mexer nos direitos dos trabalhadores; o que ela não faria nem que a “vaca tossisse”!Agora precisa aprovar no Congresso medidas que jurou que nunca tomaria, e justo no momento em que a relação com o Legislativo está esgarçada.

Além de enfrentar o maior escândalo de corrupção da história do Brasil, quiçá do mundo!Como complicador, além de reconhecidamente Dilma não ter traquejo, nem apetite, para a articulação política, ela montou uma articulação extremamente inábil, que não consegue nem convencer os companheiros de partido que o ajuste fiscal é necessário para recolocar a economia nos trilhos.

Com os presidentes das duas Casas do Congresso – Câmara e Senado –, então, não há o menor entendimento.

E vivemos hoje duas crises gêmeas – a política e a econômica.

Com desfecho imprevisível.

Isso sem falar que a falta de habilidade da presidente e do governo em se relacionar com o Congresso ainda acrescenta uma sensação de insegurança ao mercado, que fica sem saber se o discurso de austeridade do governo pode ser aplicado na prática ou se é só discurso.

No cenário atual, mesmo a alta do dólar não deve resultar em grande benefício para a indústria por conta da já sabida concorrência com produtos chineses no mercado global.

Por outro lado, a esperada queda de consumo interno, resultante da piora esperada da economia nacional, deve impactar também as vendas da indústria.

A própria presidente afirmou em cadeia de TV, no último fim de semana, que os resultados do ajuste devem ser sentidos ainda este ano.

Só espero que o resultado não seja um aumento na taxa de desemprego e uma retração ainda maior da economia que especialistas já preveem como estagnada em 2015.

Nesse mar de incertezas, nosso partido, o PTB, trabalha com apenas uma certeza: a economia brasileira precisa de correção de rumos, é verdade, mas não poderá fazê-la à custa do trabalhador.

Uma coisa é certa, o PTB não vai deixar o governo mexer no direito dos trabalhadores.

Não vamos deixar que aqueles que trabalham sejam as vítimas desse embuste eleitoral.

* Cristiane Brasil, deputada federal e presidente nacional do PTBFoto: Divulgação/Câmara dos Deputados