Presidente do PTB comenta visita de Obama e defesa por vaga no Conselho

PTB Notícias 20/03/2011, 14:12


Leia abaixo comentários do Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, publicados em seu blog na internet ( (http://www.

blogdojefferson.

com/) www.

blogdojefferson.

com) neste domingo (21/03/2011):Um bom recomeço A foto de capa de “O Globo” ilustra bem o que representou a passagem de Barack Obama por Brasília: sorrisos, afagos, simpatia mútua, um brinde e a promessa de uma nova era nas relação entre os dois países.

Dilma saiu-se bem ao fazer enfática defesa da reforma no Conselho de Segurança da ONU.

A despeito da assinatura de tratados burocráticos e do aceno pouco entusiasmado de Obama a favor das aspirações do Brasil, a visita distensionou a atmosfera antes envenenada, com clara sinalização de que avançará de forma positiva o comércio Brasil-EUA.

Causa justa e necessáriaAo discursar no encontro com Obama no Palácio do Planalto, Dilma foi enfática não só ao defender o objetivo do Brasil de se tornar membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, mas também em apontar as contradições que precisam ser superadas entre os dois países, exigindo, por exemplo, o fim das medidas protecionistas adotadas pelos Estados Unidos.

Mesmo não conseguindo extrair de Obama uma declaração enfática a favor da causa do Brasil, a declaração assinada por ambos os presidentes manifestando apreço pela reforma do órgão mais importante da ONU pode ser considerado um avanço, embora ainda não seja um apoio formal.

O Conselho de Segurança precisa mesmo ser reformulado, principalmente para abrigar os países que assumem novo protagonismo entre as antigas forças econômica mundiais, como o Brasil e a Índia.

Inaugurado junto com as Nações Unidos ao final da Segunda Guerra mundial, o Conselho de Segurança desde então mantém a mesma conformação, apesar de o mundo ter mudado bastante de 1945 para cá.

Nossa diplomacia acerta em pressionar para que a ONU recomponha a correlação de forças no Conselho, respeitando a nova ordem mundial.

Apesar de você.

.

.

Uma das fotos que melhor ilustrou o bom ambiente da visita de Barack Obama a Brasília não foi tirada por qualquer fotógrafo profissional, e sim pela ministra da Secretaria de Comunicação da Presidência, Helena Chagas.

Durante o almoço oferecido a Obama pelo Itamaraty, Helena chamou os quatro ex-presidentes – Fernando Henrique, José Sarney, Fernando Collor e Itamar Franco – para fazer uma foto, e a presidente Dilma, ao perceber a cena, tomou a iniciativa de se juntar ao time.

Helena fez questão de postar a foto em seu twitter (apesar de ter saído tremida), e ainda afirmou que a mesma representou “um momento histórico, um exemplo de civilização”.

Só ficou de fora da foto (e do almoço, e da recepção a Obama.

.

.

) aquele ex-presidente que disse, ao final de seu mandato, que iria ensinar a todos como deve se comportar um ex-presidente.

Michelle e suas cruzadasApesar de cumprir um papel secundária na visita de Obama ao Brasil, a primeira dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, não deixou de mostrar o porque de ser considerada um exemplo de liderança positiva.

Além de toda simpatia e elegância demonstradas por onde passou na capital, Michelle fez um discurso para jovens e crianças enfatizando a importância de se levar a educação a sério, como ferramenta fundamental para o progresso pessoal e, também, de um País.

A atuação de Michelle Obama prova que primeiras-damas podem ser mais que peças de decoração política.

Em seu país, Michelle lidera intensa mobilização para acabar, principalmente entre as crianças, com a epidemia de obesidade que assola os EUA, e vem comprando briga com a milionária indústria da alimentação.

Desejo sucesso a ela nesse cruzada que, aliás, também deveria ser empreendida no Brasil.

Acelerando na largadaFoi publicada neste domingo, pela “Folha de S.

Paulo”, a primeira pesquisa Datafolha que mede a aprovação do novo governo.

De acordo com a pesquisa, Dilma Rousseff conta com 47% de avaliações positivas (ótimo e bom), contra 34% que a consideram regular e 7% que cravam ruim ou péssimo.

Pela pesquisa, e considerando apenas os índices de aprovação, a nova presidente só não ultrapassou o segundo mandato de Lula quando comparados seus números com os dos outros quatro antecessores.

No quesito início de mandato, Collor obteve 36%, Itamar 34, FHC 39 no primeiro mandato e 21 no segundo, e Lula 43 no primeiro e 48 no segundo.

Os brasileiros consideram que a presidente Dilma saiu-se bem na largada.

As flores têm espinhosNem tudo, entretanto, são flores para Dilma no Datafolha.

Na avaliação da gestão da atual presidente, os brasileiros consideram que ela trabalha menos que Lula e é mais autoritária, além de acharem que ela, apesar de ser mais inteligente, seria menos sincera.

Dilma também é mal avaliada quando o assunto é a melhoria da saúde e da segurança pública e educação, embora, contraditoriamente, a população acredite que seja a educação a área de melhor desempenho dela.

Um outro dado a se considerar é que Lula deixou a presidência com seu governo recebendo 83% de avaliações positivas, e por Dilma representar a continuidade da administração anterior, os dados do Datafolha no fim revelam uma queda na forma como a população avalia a administração pública.