Projeto de Adilson Amadeu que proíbe aplicativo Uber em SP é aprovado

PTB Notícias 1/07/2015, 17:23


A Câmara Municipal de São Paulo aprovou, na terça-feira (30/6/2015), o projeto de lei 349/2014, do vereador Adilson Amadeu (PTB), que proíbe o uso de carros particulares cadastrados em aplicativos para o transporte remunerado de pessoas.

Na prática, a proposta, que foi aprovada em primeira discussão, proíbe a utilização do aplicativo Uber, que disponibiliza motoristas para fazer transporte em carros de luxo na cidade.

“Esse aplicativo está trabalhando de forma ilegal na cidade de São Paulo e no Brasil.

Não dá para que empresas fantasmas venham aqui passar em cima das leis municipais e federais.

Essa empresa que entrou sem pedir licença viu a reação da maioria dos vereadores, que em número maior votou contra esse aplicativo”, afirmou Amadeu.

Centenas de taxistas ocuparam as galerias do plenário da Câmara paulistana, e os auditórios Prestes Maia e Freitas Nobre, de onde os profissionais puderam acompanhar a sessão por meio de telão.

Além disso, os taxistas também fecharam uma das vias da Rua Maria Paula.

“Nós somos contra esse aplicativo, simplesmente porque ele é ilegal e tudo que é ilegal nós não devemos apoiar.

Se nós não tomarmos nenhuma providência, o Brasil se torna um país sem lei e sem dono.

Eu sou dirigente sindical e não quero confusão na cidade de São Paulo, mas eu não estou mais conseguindo segurar a categoria”, disse Natalício Bezerra, diretor-presidente do Sindicato dos Taxistas Autônomos de São Paulo.

“Em minha opinião esse aplicativo deve ser banido, ele faz apologia ao crime, ele incentiva pessoas sem classificação profissional e sem responsabilidade cível nem fiscal a trabalharem nas ruas de São Paulo.

Não pagam impostos, se eles machucarem algum cidadão, essa pessoa não tem nem a quem recorrer”, reclamou o taxista Alessandro Ruiz Martinez.

O projeto recebeu 48 votos a favor e apenas um contrário, do vereador José Police Neto (PSD).

Agência Trabalhista de Notícias (FM), com informações da Câmara Municipal de São PauloFoto: RenattodSousa/CMSP