Projeto de JVC traz soluções para o problema da falta d’água no Nordeste

PTB Notícias 7/05/2011, 9:23


As soluções para o problema de água no Nordeste ganham reforços com a aprovação do projeto de lei nº 337, do senador João Vicente Claudino (PTB-PI), que concede isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a aparelhos de destilação e de osmose inversa, destinados a dessalinização de água.

A proposta teve como objetivo facilitar a vida de milhares de nordestinos que necessitam puxar água de boa qualidade do solo do semi-árido e são prejudicados pelo alto grau de salinidade que esta contém.

A falta d”água no semi-árido é um drama antigo para milhares de pessoas em comunidades isoladas do Nordeste, principalmente no Estado do Piauí, onde existem grandes reservas subterrâneas de água.

Para João Vicente Claudino, a isenção do IPI para esses aparelhos que realizam a destilação e a osmose inversa deverá reduzir o problema da seca em muitas regiões.

“A dessalinização de água através de osmose inversa apresenta-se como uma alternativa a mais, uma vez que possui um menor custo quando comparado com outros sistemas de dessalinização.

Além de retirar o sal da água, este sistema permite ainda eliminar vírus, bactérias e fungos, melhorando assim a qualidade de vida da população”, frisou João Vicente.

João Vicente destaca que parte da região Nordeste do Brasil é caracterizada por condições semi-áridas, com baixa precipitação pluviométrica (cerca de 350 mm/ano) e por um solo predominantemente cristalino, que favorece a salinização dos lençóis freáticos.

“As máquinas de dessalinização de água são conhecidas há pouco mais de vinte anos e têm sido adquiridas por diversas prefeituras do interior para atender à população durante os períodos de seca.

Além da praticidade, o seu uso torna-se mais econômico que o transporte de água por caminhões pipa”, defendeu o senador.

Em países como o Chile e Peru, grandes mineradoras já começaram a usar água dessalinizada em suas atividades, no Peru foram construídas duas usinas no litoral para fornecer água a mais de um milhão de pessoas, segundo dados do governo.

Alguns países, como Cingapura (Ásia) e Namíbia (África), já utilizam água tratada proveniente até mesmo da rede de esgoto, e a disponibilizam suficientemente pura para ser consumida pela população.

Outros países árabes, como Israel, por exemplo, detêm usinas de dessalinização com capacidade para produzir milhões de litros de água potável por dia.

No Brasil, algumas empresas já começaram a investir nesse processo, de forma tímida devido aos altos custos.

Em São Paulo, já é possível encontrar empresas que resolveram investir na tecnologia e transformar água salgada do mar em água pura, oferecendo um produto diferenciado, aliando um alto grau de potabilidade, hidratação, e com consciência ambiental.

A proposta que recentemente foi aprovada pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado em regime terminativo, foi encaminhada direto à Câmara dos Deputados.

Agência Trabalhista de Notícias (LL) com informações do Portal 180 Graus