Projeto Sentinela Kids visita escolas de Caldas Novas

PTB Notícias 2/05/2007, 14:46


A cada 8 minutos uma criança brasileira é vítima de abuso, ou seja, 60 mil crianças por ano são vítimas de abuso no Brasil.

Em 90% dos casos a criança é abusada por alguém que conhece e ama; pela ordem, o pai biológico, o padrasto, tio, avôs e irmãos.

Por este motivo, em parceria com a prefeitura municipal de Caldas Novas/GO – administrada pela petebista Magda Mofatto, a pedagoga do Programa Sentinela, Aldinéia, promove nas escolas do município a divulgação do projeto Sentinela Kids.

“É um programa direcionado para orientação das crianças.

Trabalhamos com música, histórias em quadrinhos, fantoches”, afirma.

Na semana passada, a Escola JK, no bairro Itaicí, foi visitada e foram apresentados palestras e teatro.

É o mesmo método adotado pelo Projeto Sentinela, mas apresentado de uma forma que as crianças possam entender.

Aldinéia explica o processo pelo qual a criança que sofre um abuso passa e porque o uso de materiais acessíveis para sua idade: “a criança, quando é abusada, não consegue expressar verbalmente o que aconteceu com ela, mas quando é colocada uma fábula ou um fantoche, explicando que não pode deixar pessoas tocarem o corpinho dela, não pode deixar as pessoas tirarem fotos dela e que ela não deve entrar em casa de pessoas que ela não conhece, com isso ela acredita e se acontece alguma coisa com ela parecida com a história do fantoche elas começam a contar o que aconteceu”.

A pedagoga explica que é dever de familiares ou pessoas próximas identificar que a criança pode estar sendo vítima de abuso sexual.

“E como fazer isso? Existem alguns comportamentos padrões, como pesadelos, problemas para dormir , medo do escuro, medo excessivo de monstros, perda de apetite, mudanças súbitas de humor, medo de pessoas ou lugares e demonstração de relutância em ficar sozinha com determinada pessoa ou mudança de humor na presença de determinada pessoa, entre outros”, esclarece.

Além destes sintomas, a pedagoga também destaca:• Problemas estomacais freqüentes e sem razão identificável;• Regressão de comportamento (ex: fazer xixi na cama ou usar chupetas depois da idade em que isso acontece);• Atividades sexuais com brinquedos ou outras crianças ou pedir a amigos e irmãos para se comportar sexualmente;• Nomes novos para partes íntimas do corpo;• Recusar-se a falar sobre um “segredo” que tem com um adulto ou criança mais velha;• Ter dinheiro inesperadamente;• Se cortar ou queimar propositadamente, quando adolescente;• Machucados, vermelhidão, sangramento ou odor inexplicável nos genitais, ânus ou boca;• Corrimentos ou fluídos leitosos na área genital.

No entanto, alguns sintomas ou comportamentos podem aparecer em momentos estressantes da vida de uma criança, como divórcio, morte de membro da família ou problemas na escola.

“Cada sinal separado não quer dizer que a criança possa estar sofrendo abuso, mas se você observar vários deles ao mesmo tempo é uma indicação de que você deve questionar a criança e procurar descobrir qual é o problema”, esclarece.

Agência Trabalhista de Notícias (com informações da Prefeitura de Caldas Novas)