Projeto Vila da Barca em Belém ganha prêmio e elogios do governo

PTB Notícias 23/03/2007, 8:53


A secretária Nacional de Habitação, Inês Magalhães, esteve nesta quionta-feira, 22, em Belém, capital do Estado do Pará, para visitar as obras da Vila da Barca, uma referência aos programas habitacionais em todo país.

Acompanhada do prefeito de Belém, o petebista Duciomar Costa, e do secretário Municipal de Habitação, Paulo Queiroz, a representante do Governo Federal percorreu o interior de alguns apartamentos e parabenizou a iniciativa que rendeu ao município o Selo de Mérito 2006, concedido pela Associação Brasileira de Conjuntos Habitacionais e Secretarias de Habitação (ABC), sediada em Brasília.

Segundo a secretária, a região Norte da capital paraense não possui altos índices quantitativos de déficit habitacional, mas a erradicação das palafitas é uma das metas do programa de aceleração habitacional e crescimento, desenvolvido pelo Governo Federal em parceria com os estados e municípios.

“Eu tive a oportunidade de conhecer o projeto e o seu grande diferencial é oferecer dentro de uma proposta habitacional condições de melhorias de vida para estas famílias, através da geração de emprego e renda”, ressaltou a secretária.

Simultâneo às obras, a Sehab desenvolve um trabalho de assistência social e psicológica às famílias que ocuparão as novas casas.

Uma equipe de assistentes sociais, psicólogos e professores mantêm contato diário com os moradores, para os quais a secretaria já criou programas de capacitação com cursos de informática, artesanato é culinária.

“Estas pessoas começam a se deparar com uma nova realidade para a qual também é compromisso da prefeitura prepará-los.

A oportunidade de aumentar a renda familiar é a garantia de que eles estarão inseridos num contexto social que também impõe limites e deveres”, explicou a diretora do Departamento de Programas e Projetos Habitacionais, Suely Mouta.

Segundo ela, não adianta oferecer infra-estrutura sem que haja contrapartida das famílias com o pagamento dos impostos, como o de água e energia, que hoje, não são necessários justamente pela ausência da infra-estrutura urbana em suas condições de moradia.

“O nosso sonho de morar melhor se concretiza agora com direito a saneamento, energia elétrica e água tratada”, enfatizou a moradora Raimunda Pereira de Jesus, 54.

Um dos motivos pelo qual a União incluiu Belém no programa “Palafita Zero” foi uma pesquisa realizada pelo IBGE que aponta 448.

723 mil pessoas vivendo em condições de submoradia na capital paraense, o que corresponde a 35% de sua população.

Em dados apresentados pela Sehab, 83,05% das famílias da Vila da Barca moram em casas de madeira, possuem escolaridade baixa e a renda familiar varia entre zero e três salários mínimos.

“Oitenta e três mil pessoas estão abaixo da linha da pobreza em Belém e um projeto como o da Vila da Barca, que proporciona a melhoria das condições de vida e moradia, é possível coibir o aumento deste número, previsto para 110 mil em 2020”, afirmou Paulo Queiroz.

O conjunto habitacional da Vila da Barca recebe R$ 36 milhões, repassados pela Caixa Econômica Federal, sendo 10% de contrapartida da prefeitura.

Um investimento, que o prefeito Duciomar Costa conseguiu graças ao bom relacionamento com o Governo Federal.

“É um sonho movido pela sensibilidade social que encontrou em Brasília as portas abertas para concretizá-lo”, comemorou o prefeito petebista.

fonte: site da Prefeitura de Belém (PA)