PTB chancela apoio à candidatura presidencial de Aécio Neves

PTB Notícias 27/06/2014, 18:49


O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) aprovou nesta sexta-feira (27/6/2014), em convenção nacional realizada em Salvador (BA), o apoio do nome do senador Aécio Neves, do PSDB, como candidato à Presidência da República.

A decisão do PTB foi tomada por aclamação da ampla maioria dos delegados presentes à convenção do partido, ocorrida no hotel Sol Bahia.

O evento contou com a participação de membros de diretórios petebistas de quase todos os estados, que aplaudiram entusiasticamente a decisão da sigla em favor do candidato tucano, anunciada pelo presidente nacional do PTB, Benito Gama.

Compuseram a mesa da convenção o presidente Benito Gama; o líder do PTB no Senado, Gim Argello (DF); a presidente nacional do PTB Mulher, Cristiane Brasil; o presidente nacional da Juventude do PTB, Adriano Stefanni; o presidente da Fundação PTB, Chico Galindo; o vice-presidente nacional de mobilização do PTB, Luis Souto Madureira; o senador Armando Monteiro (PE); os deputados federais Josué Bengtson (PA) e Luiz Carlos Busato (RS); o ex-prefeito de Belém (PA) Duciomar Costa; os presidentes do PTB de Mato Grosso do Sul, de Minas Gerais e do Espírito Santo, Ivan Louzada e os deputados estaduais Dilzon Melo e José Carlos Elias, respectivamente; e o deputado federal Antonio Imbassahy (BA), representando o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves.

Participaram da convenção os secretários Norberto Martins (primeiro-secretário-geral), Honésio Ferreira (Comunicação), Luiz Francisco Corrêa Barbosa (Jurídico) e Anderson Xavier (Mobilização), membros do Diretório Nacional, presidentes estaduais e demais lideranças do partido de todo o país.

Apesar da oficialização do apoio do PTB à candidatura presidencial do PSDB, o presidente Benito Gama enfatizou que cada diretório estadual do partido terá autonomia para decidir quem vai apoiar nas eleições para os governos estaduais e nas composições para escolha de candidatos ao Senado.

Ovacionado pelos convencionais ao anunciar a decisão favorável à coligação em nível nacional com Aécio Neves, Benito destacou que é o presidente “da convergência e da divergência”, e que o partido, democraticamente, acatava a decisão da expressiva maioria que, por aclamação, decidiu retirar o apoio petebista à chapa da presidente Dilma Rousseff.

“Foram contabilizados somente sete votos contrários ao apoio a Aécio Neves, todos de delegados do diretório de Pernambuco.

Esta é o maior indicativo da expressiva maioria que aprovou a coligação do PTB com o PSDB.

Respeito as bancadas, respeito as diferenças e divergências, mas nós temos que ouvir o partido, e não apenas os seus representantes no Congresso.

Nós entramos neste governo pela porta da frente, e agora saímos pela porta da frente.

As conveniências pessoais não podem suplantar as conveniências partidárias, por isso, vamos com Aécio Neves para mudar o Brasil”, disse Benito Gama.

DivergênciasNa convenção, lideranças estaduais do PTB manifestaram posição contrária de o partido apoiar a candidatura de Aécio Neves.

O presidente do PTB do Rio Grande do Sul, deputado federal Luiz Carlos Busato, disse que em seu Estado o partido aprovou “quase por unanimidade” à reeleição de Tarso Genro ao governo gaúcho e de Dilma Rousseff à Presidência da República.

“Aprovamos o apoio ao Tarso e a Dilma por coerência partidária, mas isso não significa que estejamos contra a candidatura de Aécio Neves, Dilma Rousseff, Eduardo Campos, Luciano Genro ou de quem quer que seja.

Respeitamos todos, mas estamos aqui dando uma posição do Rio Grande do Sul em função da fidelidade ao grupo ao qual estávamos ligados, e escolhemos apoiar Dilma.

É obrigação nossa externar aos companheiros”, afirmou.

Busato disse também que estava representando a bancada do PTB na Câmara dos Deputados, em nome do líder Jovair Arantes (GO).

Segundo o presidente do PTB-RS, os parlamentares se sentiram desconfortáveis por não terem sido comunicados da decisão do partido apoiar Aécio Neves, e sim pela imprensa.

“O desconforto é a não comunicação aos deputados.

Isso, ao nosso olhar, faz com que a Executiva Nacional se afaste da bancada.

Essa distância não é boa para o partido, não é saudável.

O PTB é um grande partido, e precisamos ter daqui para frente uma atitude de maior habilidade política, para que tenhamos uma união entre a bancada e o partido”, disse.

O pré-candidato do PTB ao governo de Pernambuco, senador Armando Monteiro, também lamentou o fato de não ter sido comunicado pela direção nacional da mudança do apoio.

Ele afirmou que não recebeu “sequer um telefonema” para ser consultado sobre a decisão, da qual classificou de “unilateral”, “autoritária” e “desrespeitosa”.

“Eu merecia do partido um mínimo de consideração, que pudesse se expressar em uma simples consulta, em um diálogo, uma conversa”, afirmou.

Armando relembrou ainda que participou mês passado de uma solenidade do PTB na qual foi manifestado “inequívoco apoio à reeleição da presidente Dilma”.

“O que mudou verdadeiramente de maio para cá? O que aconteceu que pudesse justificar uma inflexão de 360 graus? Onde estão as explicações? Onde está o posicionamento público do partido? Fica na sociedade a dúvida de como, por que, em que circunstâncias se deu esse novo alinhamento do PTB”, afirmou.

O secretário de Mobilização Nacional do PTB, Anderson Xavier, rebateu as críticas feitas ao apoio do PTB ao candidato tucano à Presidência.

Ele disse que a Executiva Nacional vê com “tristeza”, por exemplo, parlamentares da sigla no Congresso Nacional indicando nomes para cargos federais sem consultar a direção do partido.

“E só ficamos sabendo pela imprensa, também”, disse.

“A posição que for tomada pelo partido eu vou cumprir, porque sou partidário, sou petebista”, destacou Anderson, que, em seu pronunciamento, saudou a liderança de Roberto Jefferson.

“Temos um presidente que está preso porque denunciou o maior esquema de corrupção no Brasil.

Hoje, ele não está aqui, que falta ele faz.

Ele está preso, mas por quê? Porque escolheu trocar a liberdade pela verdade.

Só vi dois fazerem isso: Getúlio Vargas e Roberto Jefferson”, destacou o secretário.

Anderson Xavier disse que irá fazer campanha para Aécio Neves, pois, de acordo com ele, será “melhor para o Brasil”.

Na ocasião, o secretário lançou presidente nacional do PTB Mulher e vereadora do Rio de Janeiro, Cristiane Brasil, para a vice-presidência da República na chapa encabeçada por Aécio Neves, pois é um nome que “agregará muito a chapa”.

AgradecimentoO deputado federal Antonio Imbassahy (BA) representou o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, na convenção nacional do PTB.

Ele afirmou que o tucano gostaria de ter participado do encontro petebista, mas que saudava e agradecia a decisão da legenda trabalhista a seu favor.

“A confiança no PTB é a confiança no povo brasileiro, que quer a mudança neste país”, afirmou.

“A palavra de Aécio é de alegria, de confiança pela decisão tomada, uma decisão em sintonia o que deseja o povo brasileiro.

O PTB é um partido de quadros valorosos, e a nossa aliança começa aqui: o PTB, ao nosso lado, governando o Brasil com Aécio Neves.

“O presidente nacional do PTB, Benito Gama, comunicou na ocasião que recebeu telefonema de Aécio Neves, agradecendo todos de “coração” e que ambos os partidos estarão juntos na campanha.

Agência Trabalhista de Notícias (EL e Felipe Menezes)Fotos: J.

R Neto/Divulgação