PTB gaúcho mantém candidatura de Luis Augusto Lara e ignora assédio

PTB Notícias 6/03/2010, 9:16


Enquanto o PMDB planejava forte investida sobre o PTB ontem, 05/03, os trabalhistas decidiram levar até o fim a candidatura ao Palácio Piratini de Luis Augusto Lara.

Em reunião de quatro horas, um dos fatores decisivos para manter Lara no tabuleiro foi o senador Sérgio Zambiasi, que apoiou em seu discurso a pretensão do deputado estadual.

Apesar de peemedebistas apostarem em rachaduras na base de apoio do deputado, integrantes do diretório do PTB avaliaram que é melhor manter a candidatura própria para reforçar as campanhas para deputado no Interior.

Existe também a avaliação de que o partido precisa investir na formação de líderes.

Por essa razão, a visibilidade eleitoral da campanha em chapa própria será fundamental.

No entendimento dos petebistas, o partido não terá ganhos expressivos em termos de cargos caso se defina agora pelo apoio a algum candidato de outro partido.

A dimensão de seu eleitorado faz com que o PTB se sinta apto a construir aliança com algum dos candidatos que estará no segundo turno, se Lara não estiver entre os dois mais votados.

Houve consenso também de que não há mais como desistir do candidato próprio em meio à empolgação da base, sendo que o tempo de formar alianças está se esgotando.

– O engajamento de Zambiasi trouxe confiança.

O próprio senador deve entrar nas negociações para fortalecer a coligação – avaliou o deputado Cassiá Carpes (PTB).

No final do encontro, Lara assegurou que não desistirá.

A ideia é propor coligações na majoritária e aprofundar a discussão sobre aliança na proporcional em março e em abril.

– A candidatura está posta independentemente de pesquisa eleitoral – disse o presidente estadual do PTB.

Na manhã de ontem, os peemedebistas haviam decidido que o presidente estadual do PMDB, Pedro Simon, marcaria reunião com o PTB.

– Temos de pensar em ganhar a eleição.

Há muito a ser negociado.

Podemos colocar na mesa uma vaga no Senado, participação no governo e na elaboração do plano de governo – afirmava o secretário-geral do PMDB estadual, Eliseu Padilha.

Essa estratégia ganhou impulso depois de deputados trabalhistas demonstrarem preocupação com a viabilidade da candidatura de Lara.

Havia temor de que ele quisesse apenas se valorizar em um projeto pessoal, prejudicando outros candidatos que gostariam de subir no palanque do prefeito José Fogaça.

Em reunião na quarta-feira, o prefeito contou que conversou com deputados do PTB que o tinham procurado:– Tenho certeza de que lá adiante estaremos com o PTB, porque a candidatura do Lara se mostra inviável – disse Fogaça a parlamentares do PMDB.

O aval de Zambiasi serviu para unir a sigla em sentido contrário.

* Agência Trabalhista de Notícias com informações do Jornal Zero Hora