“PTB já saiu do rol dos pequenos partidos”, diz João Vicente

PTB Notícias 9/09/2007, 8:42


Leia abaixo entrevista do senador João Vicente Claudino, presidente do Diretório Estadual do PTB no Piauí, publicada no jornal Diário do Povo neste domingo, 09 de setembro.

“PTB já saiu do rol dos pequenos partidos”, diz João Vicente O PTB foi o primeiro partido do Piauí a realizar declaradamente sua articulação para as eleições de 2008.

Mesmo negando afobamento político, o senador João Vicente Claudino comemora o crescimento dos números do partido, no que diz respeito aos filiados com mandato eletivo.

“Nós não vamos ter afobamento político, pois não temos apenas o objetivo de buscar a prefeitura.

Não queremos confrontar com segmentos políticos que trabalharam juntos conosco, mas o crescimento do PTB não será barrado, porque é uma vontade da base do partido”, afirma o senador.

Segundo ele já é certo que pelo menos 39 prefeitos da sigla são candidatos à reeleição em suas cidades.

Ele explica ainda que a adesão ao partido não está vindo apenas da oposição fragilizada.

“São de diversas siglas de oito ou nove partidos que se filiaram ao PTB”, acrescenta.

Diário do Povo – Quando assumiu a presidência do PTB, tinha como objetivo de conseguir eleger o maior número de prefeitos e futuramente disputar o governo do Estado.

Este objetivo está sendo alcançado?João Vicente Claudino – Estamos no caminho para conseguir isso.

Acho que o partido se torna grande não apenas em quantidade, mas em compromisso.

Não adianta ter quantidade e não ter causas defendidas e não ter compromisso com a população que representa e não ter qualidade da representatividade e trabalho das lideranças.

O partido tem um objetivo e estamos numa fase em que o PTB se prepara, a visão na frente para 2010 passa pela eleição municipal de 2008.

Partido nenhum é forte se não estiver forte no município e não for bem representando pelos vereadores, vice-prefeitos, prefeitos e lideranças que apóiam estes representantes.

Acredito que a gente está no caminho certo.

É o momento da discussão municipal, porque estamos num momento de ebulição, temos prazo até 30 de setembro.

O ritmo de viagens é maior, o prazo se aproxima e as pessoas começam a ficar inquietos.

Diário do Povo – O sr.

tem idéia de quantas filiações já foram feitas no PTB neste período?JVC – Saímos da eleição de governador com 20 prefeitos.

Acabamos a eleição 2006 com 20 prefeitos e já dobramos este número.

Até o dia 30 queremos passar de 60.

As nossas filiações estão sendo um processo normal do partido.

Hoje o PTB está em fase de crescimento não só no Piauí, mas em todo o país e desde o inicío colocamos como meta transformar o partido em uma sigla forte, mas isso não está sendo feito de maneira assodada como alguns afirmam, pelo contrário.

Diário do Povo – A meta do PTB é ter candidato próprio nas principais cidades?JVC – Vamos ter candidato onde o PTB tiver viabilidade política.

Onde não tiver viabilidade vamos compor, indicando um vice ou formando uma boa bancada de vereadores.

Não vamos forçar a barra política porque a população não aceita isso.

Somente onde tiver a viabilidade é que vamos participar.

Diário do Povo – O PTB já saiu do rol dos pequenos partidos e passou a integrar o rol dos grandes partidos, a exemplo do que existia antigamente no Piauí que era apenas PMDB e PFL?JVC – Isso mudou.

O bipartidarismos branco que existia no Piauí mudou pelo menos de oito anos para cá tem se acentuado e na eleição municipal será o fim desta disputa que existia.

Até pelas transformações que houve no PFL.

O PMDB continua sendo uma grande força no Piauí, Mas a polarização que existia antes entre PMDB e PFL isso chegou ao final e tem outras siglas que tem participado da vida política do Piauí, e representando bem, ocupado bem os espaços.

Diário do Povo – O senhor considera que os candidatos do PTB têm condições reais de eleição nestes municípios?JVC – A viabilidade nasce da postura do próprio candidato, da historia política dele, do trabalho realizado, da aglutinação de forças em torno dele.

O projeto que defende.

Aí é que vamos avaliar com muita tranqüilidade e serenidade para não colocar as lideranças de forma precipitada, com afobação política na busca de atingir o objetivo de conseguir esta ou aquela prefeitura e que se perca o entendimento com segmentos políticos que apoiaram em 2006 e que podemos continuar juntos.

A política no interior do Piauí tem que ser feita de maneira estudada, não vamos colocar nossas lideranças em uma batalha inglória e ainda correr o risco de perder aliados.

Temos tempo ainda para estudar essas viabilidades e vamos usá-lo.

Diário do Povo – Estes prefeitos que se filiaram, a maioria deles são de que origem e vão se candidatar á reeleição?JVC – Dos 40 prefeitos, 39 são candidatos a reeleição.

20 já eram do PTB e os outros são vindos de diversas siglas.

Não tem predominância de uma sigla.

Eles vieram de oito ou nove partidos.

Diário do Povo – O senhor tem um bom trânsito com os ex-pefelistas e boa parte deles está se filiando ao PTB.

O PTB vai abrigar este ala do PFL que não concordou com a mudança no partido para o DEM?JVC – Nós temos vários políticos do PFL que temos conversado e que tem sinalizado em vir para o PTB, mas são políticos que já participaram da nossa eleição em 2006.

Eles votaram em mim para senador e em Wellington Dias para governador.

Isso é aberto e claro, não é uma coisa pós eleição.

Não foi uma coisa que fomos lá no PFL para desestruturar o partido ou esvaziar uma sigla partidária.

É uma coisa, entendimentos e parcerias que fizemos atrás, na eleição de 2006.

isso foi feito de maneira clara.

Se eles tiverem intenção de sair do PFl e buscar outra sigla, o PTB está de portas abertas para o entendimento de podendo abrigá-los como quadro do partido.

De modo que me sinto à vontade sim não só com os que eram do PFL, mas com todas as siglas partidárias.

Diário do Povo – O resultado da eleição municipal é que vai credenciar ao sr disputar uma candidatura para governador em 2010?JVC – O resultado da eleição é que vai credenciar o PTB consolidando como um grande partido e entrar em disputas futuras para disputar qualquer cargo em 2010, como um grande partido para o entendimento político estadual.

A eleição executiva é diferente da eleição legislativa proporcional.

A proporcional nasce de uma vontade pessoal da pessoa se articular bem politicamente para viabilizar a sua candidatuta.

A executiva não.

Desde de prefeito a presidente da Republica, nasce de um sentimento diverso.

O seu nome é revertido de um projeto que é catalisado.

Diário do Povo – Como se dá o processo de novas filiações no partido?JVC – O PTB organiza conferências, mesas redondas, oficina, lançamento de livros e homenagens.

Queremos colocar para todos os filiados o modo de pensar a política do Brasil e do Piauí que o PTB quer pregar e defender.

Vamos organizar ainda um grande evento em Teresina para comemorar as filiações.

fonte: Jornal Diário do Povo (PI)