Ranolfo Vieira Júnior e Mourão debatem segurança pública em evento no Rio Grande do Sul

PTB Notícias 26/03/2019, 10:21


Imagem Crédito: Rodrigo Ziebell/SSP-RS

[vc_row][vc_column][vc_column_text css=”.vc_custom_1553612190338{margin-bottom: 0px !important;}”]Um debate franco e aberto sobre as principais questões relevantes para a proteção dos cidadãos e o combate à criminalidade no país e no Rio Grande do Sul. Esse foi o resultado do painel “Desafios de uma nação: Foco na Segurança Pública”, realizado na sexta-feira (22), no Centro de Eventos da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs).

Promovido pelo gabinete do deputado estadual tenente-coronel Luciano Zucco (PSL), que atuou como mediador, o encontro reuniu o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, o vice-governador e secretário da Segurança Pública e da Administração Penitenciária do Rio Grande do Sul, Ranolfo Vieira Júnior (PTB), e o secretário nacional de Segurança Pública, general Guilherme Theophilo.

Por cerca de uma hora, os painelistas debateram o tema a partir de quatro tópicos: sistema prisional, crimes fronteiriços, integração e políticas públicas de combate ao crime. Ao final, os participantes responderam perguntas da plateia, que lotou o Teatro do Sesi.

O deputado Zucco abriu o evento ressaltando a necessidade de encontrar alternativas para a superlotação do sistema penitenciário nacional, com deficit de mais de 350 mil vagas. O vice-governador lembrou a recente criação do programa RS Seguro, com as premissas de integração, inteligência e investimento qualificado, tendo a reestruturação das cadeias no Estado como um de seus quatro eixos de ação.

“Temos hoje deficit de 13 mil vagas no Estado. Com a convicção de que o sistema prisional é o calcanhar de Aquiles da Segurança no RS, temos o compromisso de abrir vagas. Por isso, desde o início do governo, decidimos criar a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária, desmembrando essa atividade, para ter foco exclusivo na ampliação de espaço e melhoria das condições dos estabelecimentos”, afirmou Ranolfo.

O vice-governador adiantou ainda que, nos próximos dias, deve ser lançado o programa RS Parceria, que abre a possibilidade de o Estado fazer parcerias público-privadas em diversas áreas, como infraestrutura, logística, educação, saúde, cultura e sistema prisional.

O vice-presidente da República enfatizou a necessidade de endurecimento da legislação penal e de alterações no regime de progressão, lembrando o pacote de projetos enviado ao Congresso Nacional pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. “Hoje o criminoso cumpre parte da pena e logo é solto. Essas alterações são fundamentais”, disse Mourão.

Ao comentar os crimes em regiões próximas de países vizinhos, Ranolfo lembrou que grande parte de nossas fronteiras é seca, o que eleva o risco de permeabilidade para ingresso de contrabando e atividade do tráfico. Para o vice-governador, o enfrentamento desse problema passa pela união de forças entre os organismos de segurança estaduais, federais e municipais, outra premissa do RS Seguro.

“Só a partir da integração, com inteligência, troca de informações e ação conjunta, teremos condições de coibir os crimes de fronteira como tráfico de drogas, de armas e outros delitos”, comentou Ranolfo.

O vice-governador também enfatizou a importância da integração, terceiro tópico do evento, ao detalhar para o público a criação do Gabinete de Gestão Integrada da Região Metropolitana de Porto Alegre (GGIMPOA), que conjuga esforços dos órgãos de segurança em 34 municípios com os maiores índices criminais e já realizou três operações integradas, com mais de 200 prisões e apreensão de mais de R$ 160 mil sem origem comprovada, além de diversas ações de fiscalização de trânsito.

Em relação às políticas públicas para o enfrentamento da violência, o general Mourão mencionou outros pontos do pacote apresentado por Moro. “É importante darmos a proteção necessária para que os policiais possam atuar com respaldo e tranquilidade em nome do bem da sociedade”, disse.

Mais cedo, Mourão, Leite, Ranolfo e Zucco já haviam se reunido em encontro privado, no qual discutiram temas como a reestruturação do sistema penitenciário gaúcho por meio do Fundo Penitenciário Nacional, além do apoio do governo do RS à reforma da Previdência, do ingresso do Estado no Regime de Recuperação Fiscal e da aceleração das obras da BR-116.

“Todo o país é uma corrente e os elos dessa corrente são os estados que o compõe. Nenhum Estado pode estar em dificuldade. E compete ao governo federal, em todos os momentos, auxiliar os estados a vencerem seus problemas”, afirmou Mourão.

Com informações da Secretaria da Segurança Pública do Rio Grande do Sul (SSP-RS)[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]